Maior empresa aérea da Austrália exigirá vacinação de passageiros internacionais | Notícias internacionais e análises | DW | 24.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Maior empresa aérea da Austrália exigirá vacinação de passageiros internacionais

Obrigatoriedade entrará em vigor assim que uma vacina estiver disponível, diz presidente da Qantas. Ele prevê que outras companhias aéreas seguirão o exemplo.

Airbus 380 da Quantas levanta voo em Sydney

A Qantas é a primeira companhia aérea a comunicar a exigência de vacinação

A empresa aérea australiana Qantas anunciou que vai exigir de passageiros de voos internacionais que comprovem que foram vacinados contra a covid-19.

O presidente executivo da empresa, Alan Joyce, disse que a obrigatoriedade vai entrar em vigor assim que houver uma vacina disponível e previu que ela será comum no setor aéreo. A Qantas é a maior empresa aérea da Austrália.

"Para os voos domésticos, teremos de ver o que acontece com a covid-19, mas para os viajantes internacionais que chegam à Austrália e para as pessoas que deixam o país, pensamos que é uma necessidade", ressalvou, em declarações à emissora Channel Nine Television.

A Qantas é a primeira companhia aérea a comunicar a exigência de vacinação, mas outras empresas deverão seguir o exemplo. A AirAsia e a Air New Zealand comunicaram que devem avaliar mudanças nos termos e condições assim que uma vacina em larga escala estiver disponível.

Ainda não é certo, porém, se uma exigência de vacinação para viagens de fato vai se tornar o padrão internacional.

Mas a indústria da aviação está avaliando a introdução de uma espécie de "passaporte de vacinação", que poderá incluir informações sobre o status de vacinação do passageiro.

A Austrália fechou as suas fronteiras desde março para combater a pandemia do novo coronavírus. Como resultado, várias dezenas de milhares de australianos ficaram retidos no exterior, com o governo permitindo apenas que um número limitado de cidadãos regressasse todas as semanas e cumprisse uma quarentena de 14 dias ao chegar.

AS/lusa/ots

Leia mais