Lula ″participou ativamente″ do petrolão, diz MPF | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 05.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Lula "participou ativamente" do petrolão, diz MPF

Procuradores entregam manifestação na qual defendem que o juiz Sérgio Moro tem competência para julgar processos que tratam do ex-presidente. Advogados do petista falam em retaliação por comunicado dirigido à ONU.

O Ministério Público Federal (MPF) entregou, nesta sexta-feira (05/08) à Justiça Federal do Paraná uma manifestação na qual defende que o juiz Sérgio Moro tem competência para julgar os processos que tratam do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A manifestação de 70 páginas é uma resposta à ação apresentada pela defesa do ex-presidente, que questiona a competência do juiz.

No documento, o MPF diz que o ex-presidente tinha ciência do esquema criminoso, investigado pela Operação Lava Jato, e que participou ativamente.

"Nesse sentido, contextualizando os fortes indícios, diversos fatos vinculados ao esquema que fraudou as licitações da Petrobras apontam que o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, tinha ciência do estratagema criminoso e dele se beneficiou", diz o texto.

"Nessa toada, considerando os dados colhidos no âmbito da Operação Lava Jato, há elementos de prova de que Lula participou ativamente do esquema criminoso engendrado em desfavor da Petrobras, e também de que recebeu, direta e indiretamente, vantagens indevidas decorrentes dessa estrutura delituosa", afirmam os procuradores.

O MPF relata que o esquema durou até pelo menos 2014 e foi feito pagamento de vantagens indevidas "por meio de doações eleitorais via 'caixa dois'". De acordo com o MPF, em depoimento à Polícia Federal, Lula também mencionou a indicação de nomes para cargos na Petrobras.

O MPF afirmou ainda que, mesmo após o fim do mandato, o ex-presidente "foi beneficiado direta e indiretamente por repasses financeiros de empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato".

Defesa de Lula fala em perseguição

Por meio de nota, a defesa do ex-presidente alega que a manifestação entregue pelo MPF "não é uma peça técnica, porque a discussão no incidente processual em que foi apresentada era exclusivamente em torno da impossibilidade de o juiz Sergio Moro, de Curitiba, querer ser o juiz universal do Brasil".

De acordo com a defesa, as afirmações feitas sobre o ex-presidente têm o objetivo de "encobrir a falta de argumentos do MPF sobre a incompetência da Vara de Curitiba para conduzir o caso". A nota diz ainda que desde março os procuradores têm feito declarações "difamatórias" contra o ex-presidente.

Para os advogados, a investigação da Operação Lava Jato com relação ao ex-presidente não está compatível com os direitos fundamentais e que a divulgação do documento entregue pelo MPF à imprensa "não pode ser vista senão como ato de retaliação ao comunicado dirigido à ONU e mais um passo na perseguição política contra Lula", finaliza a nota, assinada pelos advogados do ex-presidente.

PV/abr/ots

Leia mais