Lula deixa a prisão | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 08.11.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Lula deixa a prisão

Petista estava preso desde abril de 2018 e agora poderá recorrer em liberdade. Saída ocorre um dia após o Supremo derrubar a prisão em segunda instância.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou no fim da tarde desta sexta-feira (08/11) a sede da Superintendência da Polícia Federal no Paraná, em Curitiba, onde passou um ano e sete meses preso. 

A saída ocorreu após uma decisão do juiz federal Danilo Pereira Jr, da 12ª Vara Federal de Curitiba, que atendeu a um pedido da defesa.

Lula deixou o prédio pouco antes das 18h e foi recebido por dezenas de apoiadores e militantes do PT. Desde que o ex-presidente foi preso, militantes se revezaram em uma vigília em frente ao prédio. Ao sair da sede da PF, Lula discursou e lançou ataques contra a Lava Jato

Lula deve dormir hoje num hotel em Curitiba e viajar no sábado para São Bernardo do Campo.

A decisão ocorre um dia depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubar, por seis votos a cinco, a possibilidade de um condenado começar a cumprir pena antes de esgotados todos os recursos. Na manhã desta sexta-feira, a defesa do ex-presidente apresentou um pedido de soltura com base no novo entendimento do Supremo.

"A decisão da Suprema Corte confirma aquilo que nós sempre dissemos, que não havia a possibilidade de execução antecipada da pena”, disse Cristiano Zanin, advogado de Lula.

A decisão do Supremo beneficiou diretamente Lula, que cumpria pena no âmbito da condenação por corrupção e lavagem de dinheiro no caso envolvendo o tríplex no Guarujá. A sentença de Lula já foi confirmada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), sendo fixada em oito anos, dez meses e vinte dias, mas o presidente ainda tem recursos pendentes tanto neste tribunal quanto no STF.

O pedido de soltura foi direcionado à juíza federal Carolina Lebbos, da 12.ª Vara de Curitiba, responsável pela execução da pena do ex-presidente. No entanto, Lebbos está de férias e a decisão de responder ao pedido coube ao juiz Danilo Pereira Jr.

Solto, o petista estará livre para participar de atos políticos e até mesmo viajar, mas ele continua impedido de se candidatar enquanto a condenação em segunda instância vigorar por causa da Lei da Ficha Limpa. A legislação veta a possibilidade de condenados por um órgão colegiado de se candidatarem – a lei foi sancionada pelo próprio Lula em seu último ano de governo.

A decisão do STF alterou a jurisprudência que vigorava desde 2016 e que era considerada um dos pilares da Operação Lava Jato, e tem potencial de beneficiar quase 5 mil presos, segundo levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), entre eles dezenas de condenados no âmbito da Lava Jato. Ainda nesta sexta-feira, a defesa do ex-ministro José Dirceu também pediu sua soltura. No momento, ele cumpre pena no Complexo-Médico Penal em Pinhais.

A decisão tem efeito erga omnes, valendo para todas as instâncias do Poder Judiciário. Ela também é vinculante, de cumprimento obrigatório.

O novo entendimento do STF não significa que alguém não poderá ser preso antes que todos os recursos sejam julgados, ou que todos aqueles que já tenham sido condenados em segunda instância deixarão a prisão automaticamente. Ainda são válidas as prisões cautelares – preventiva, temporária e em flagrante. Esse é o caso do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, que atualmente cumpre pena, mas acumula uma prisão preventiva e, portanto, não é beneficiado pela decisão do STF.

Essa foi a segunda grande derrota da operação em pouco menos de dois meses. No final de setembro, o STF formou maioria a favor de uma tese que abriu caminho para anular várias condenações no âmbito da operação. Por sete votos a três, o tribunal entendeu que réus-delatados devem entregar suas alegações finais após os réus-delatores.

A decisão de setembro também tem potencial de afetar outra ação penal contra Lula, no caso do sítio de Atibaia.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) marcou para o dia 27 de novembro o julgamento do recurso de Lula neste caso, que já resultou em uma condenação em primeira instância.

Durante o julgamento, os desembargadores devem discutir se a ação deve ou não voltar para a fase das alegações finais, com uma consequente anulação da sentença em primeira instância, que chegou a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.

O próprio Ministério Público Federal (MPF) já pediu que o TRF4 anule a condenação e devolva o processo para a primeira instância, abrindo caminho para que a ação seja retomada a partir das alegações finais.

JPS/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais