Londres aprova construção de central nuclear | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 15.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Londres aprova construção de central nuclear

Governo britânico dá aval ao controverso projeto de Hinkley Point, a primeira central nuclear a ser construída no país em mais de 20 anos. Obra de 18 bilhões de libras será realizada em parceria com França e China.

O governo do Reino Unido aprovou nesta quinta-feira (15/09) a construção da controversa central nuclear de Hinkley Point, a primeira do país em mais de 20 anos. O projeto de 18 bilhões de libras (79 bilhões de reais) será operado pela empresa francesa EDF, com apoio financeiro da China.

O anúncio vem dois meses depois de a primeira-ministra britânica, Theresa May, ter pedido uma revisão do projeto, que foi intermediado pelo seu antecessor, David Cameron.

Na dúvida sobre o futuro do negócio, o adiamento da aprovação se transformou num ponto de atrito entre Londres e Pequim – na época, o embaixador chinês no Reino Unido, Liu Xiaoming, chegou a dizer que os laços bilaterais estavam em "um ponto histórico crítico".

Após uma exaustiva revisão do projeto, "decidimos seguir adiante com a primeira central nuclear em uma geração", disse o ministro britânico das Empresas e Energia, Greg Clark, em comunicado, reiterando que medidas adicionais serão introduzidas ao plano inicial a fim de "melhorar a segurança".

Clark anunciou que a construção de Hinkley Point – com conclusão prevista para 2025 – criará 26 mil empregos, o que significa "um enorme impulso para a economia" do país.

A EDF vai construir dois reatores, de terceira geração – que são considerados os mais avançados e seguros do mundo – em Somerset, no sudoeste da Inglaterra. A estatal chinesa China General Nuclear Corporation financiará um terço do projeto Hinkley.

A central nuclear será a primeira a ser construída no Reino Unido desde 1995 e a primeira em todo o mundo desde o acidente nuclear de Fukushima, no Japão, em 2011.

Os reatores cobrirão até 7% das necessidades energéticas do Reino Unido, ajudando o governo, em paralelo, a alcançar as suas metas de emissão de gases poluentes no combate às mudanças climáticas.

EK/afp/lusa/rtr

Leia mais