Líderes mundiais assinam Acordo de Paris em Nova York | Notícias internacionais e análises | DW | 22.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Líderes mundiais assinam Acordo de Paris em Nova York

Representantes de 175 países reúnem-se na ONU para assinatura histórica de acordo internacional, aderindo à luta contra mudanças climáticas. "Estamos numa corrida contra o tempo", afirma Ban Ki-moon.

Líderes de 175 países assinaram nesta sexta-feira (22/04) o Acordo Climático de Paris, em cerimônia realizada na sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York. "Este é um momento histórico", afirmou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

O número é recorde para um acordo internacional em seu primeiro dia de assinaturas – os Estados têm um ano para fazê-lo, a partir desta sexta. "Estamos numa corrida contra o tempo. A era do consumo sem consequências chegou ao fim", declarou Ban.

Realizada no Dia da Terra, a cerimônia ocorreu quatro meses depois da conclusão do Acordo de Paris, marcando o primeiro passo no processo de vinculação dos países às promessas que fizeram para reduzir as emissões de gases do efeito estufa.

Após a assinatura, os Estados devem agora aprovar o acordo formalmente por meio de seus procedimentos internos. Segundo a ONU, 15 países – incluindo pequenas ilhas ameaçadas pela elevação dos mares – já encaminharam a ratificação nesta sexta-feira.

O acordo entra em vigor quando for ratificado por pelo menos 55 países, responsáveis por cerca de 55% das emissões globais. A data prevista é 2020, mas diversos dirigentes manifestaram a intenção de realizar a ratificação rapidamente para antecipar essa previsão.

A presidente Dilma Rousseff esteve pessoalmente em Nova York para a assinatura do acordo. Em nota, o governo afirma que "iniciará imediatamente o processo doméstico para a pronta ratificação, de modo a contribuir para sua entrada em vigor".

Os dois maiores emissores mundiais de gases do efeito estufa, China e Estados Unidos – que não estiveram representados por seus presidentes – afirmaram que ratificarão o acordo em seus países até o final deste ano, e pediram que outras nações também o façam.

"Não há como voltar atrás"

O presidente da França, François Hollande – o primeiro a assinar o acordo e anfitrião da cúpula em Paris no ano passado –, também afirmou o compromisso de ratificar a questão ainda em 2016. "Não há como voltar atrás agora", declarou o líder nesta sexta-feira.

Em discurso durante a cerimônia, o ator americano Leonardo DiCaprio, embaixador das Nações Unidas para questões do clima, clamou por uma ação sem precedentes a fim de frear as mudanças climáticas e abandonar o uso de combustíveis fósseis.

"Não é possível salvar o planeta a menos que deixemos os combustíveis fósseis debaixo da terra, aonde eles pertencem", disse o ator. "É necessária uma transformação profunda. As ferramentas estão em nossas mãos se as aplicarmos antes que seja tarde demais."

Fechado por 195 países em dezembro de 2015, o Acordo de Paris define como objetivo a limitação do aquecimento global a 2ºC em relação à era pré-industrial. Para isso, os Estados fizeram promessas de reduzir suas emissões nos próximos anos.

EK/afp/ap/dpa/lusa

Leia mais