Líderes da UE indicam ministra alemã para chefiar Comissão Europeia | Notícias internacionais e análises | DW | 02.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Líderes da UE indicam ministra alemã para chefiar Comissão Europeia

Aliada de Merkel e titular da Defesa, Ursula von der Leyen pode se tornar primeira mulher a presidir o Executivo da UE se tiver seu nome aprovado pelo Parlamento do bloco. Premiê belga é indicado para o Conselho Europeu.

Ursula von der Leyen

Filiada à União Democrata Cristã (CDU), von der Leyen chefia a pasta da Defesa da Alemanha desde 2013

Os membros do Conselho Europeu indicaram nesta terça-feira (02/07) o nome da ministra da Defesa da Alemanha, Ursula von der Leyen, para presidir a Comissão Europeia, o braço executivo da UE, após a saída do luxemburguês Jean-Claude Juncker, prevista para o fim de outubro.

O Conselho Europeu reúne os 28 chefes de governo de todos os Estados-membros da UE mais os presidentes da Comissão Europeia e do próprio órgão, um posto atualmente ocupado pelo polonês Donald Tusk. 

Uma aliada da chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, e filiada à União Democrata Cristã (CDU), von der Leyen chefia a pasta da Defesa do país desde 2013 e chegou a ser encarada como uma potencial sucessora da chefe de governo.

Caso seu nome seja aprovado pelo deputados do Parlamento Europeu, von der Leyen será a primeira mulher a chefiar o executivo da UE, além de a primeira pessoa de nacionalidade alemã a ocupar o posto desde 1967, época em que o bloco ainda era conhecido como Comunidade Econômica Europeia. A política já havia sido a primeira mulher a comandar o Ministério da Defesa da Alemanha desde a sua criação, nos anos 1950.

Luxemburg Treffen der Euro-Finanzminister zur Reform der Eurozone (Getty Images/AFP/J. Thys)

Christine Lagarde, presidente do FMI, foi indicada para chefiar o Banco Central Europeu

No cargo de presidente da comissão, von der Leyen terá que lidar com vários temas que vêm provocando pressão sobre o bloco, especialmente a saída do Reino Unido.

Além da alemã, os membros do Conselho Europeu indicaram o atual primeiro-ministro da Bélgica, Charles Michel, para substituir Tusk na presidência do órgão. Nesse caso, a indicação não precisa de validação do Parlamento Europeu.  

Já a presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), a francesa Christine Lagarde, foi indicada para chefiar o Banco Central Europeu (BCE). Caso confirmada, ela também será a primeira mulher a ocupar o cargo.

Por fim, o ministro das Relações Exteriores da Espanha, Josep Borrell Fontelles, foi indicado para o cargo de Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, atualmente ocupado pela italiana Federica Mogherini. Os dois postos também precisam de aprovação do Parlamento.

Após o anúncio, a chanceler Merkel disse que a indicação de von der Leyen foi unânime entre os líderes europeus, salvo por uma abstenção – do próprio governo alemão.

O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, disse que a nomeação de duas mulheres para postos importantes enviou uma mensagem poderosa de que a UE está liderando o caminho para a igualdade de gênero.

JPS/dpa/ots

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais