Líder da Coreia do Norte anuncia ″mudança radical″ | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 01.01.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Líder da Coreia do Norte anuncia "mudança radical"

Em rara mensagem de Ano-novo, Kim Jong Un surpreendeu ao anunciar uma revolução econômica no país e o desejo de reconciliação com Coreia do Sul. Ele disse que a prioridade para 2013 é melhor padrão de vida da população.

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, anunciou nesta terça-feira (01/01) uma "mudança radical" em seu país e a intenção de contribuir para um relaxamento nas tensões entre as duas Coreias.

"Uma questão importante para o fim da divisão e a reunificação do país é o fim dos confrontos entre o norte e o sul", afirmou Kim em sua mensagem de Ano-novo, transmitida pela televisão estatal. "O passado mostra que o confronto entre compatriotas não leva a nada, a não ser à guerra", acrescentou.

Esta foi a primeira vez que um líder norte-coreano falou diretamente ao povo desde 1994, quando o avô de Kim Jong Un, Kim Il Sung, fez um pronunciamento pouco antes de sua morte. Kim Jong Un assumiu o poder do Estado comunista após a morte de seu pai e antecessor, Kim Jong Il, em dezembro de 2011.

Elevação do padrão de vida

Em seu discurso, Kim Jong Un disse que 2013 será um ano de "grandes invenções e mudanças" e com "uma mudança radical". Além disso, afirmou que o fim do confronto entre as Coreias pode "acabar com a divisão do país e alcançar sua reunificação". Ele anunciou, ainda, que a tarefa mais importante no novo ano será o aumento no padrão de vida do país.

Kim disse que a Coreia do Norte deve se tornar um "gigante econômico", e que todos os projetos comerciais deste ano devem servir a um crescimento radical da produção e à melhoria das condições de vida da população. Para isso, ele apelou para que seja realizada uma "revolução na ciência e na tecnologia".

Grande parte da população norte-coreana vive em situação de pobreza, dependente da doação de alimentos do exterior. A economia está há anos praticamente estagnada, devido a sanções internacionais, que almejam pressionar o regime a abrir mão de seus testes nucleares.

Präsidentschaftswahl Südkorea 2012

Presidente eleita da Coreia do Sul, Park Geun Hye

Lampejo de esperança

A Coreia do Norte e a Coreia do Sul estão tecnicamente em estado de guerra desde a Guerra da Coreia, no início da década de 1950. A Coreia do Sul também despertou recentemente esperanças de uma reaproximação.

A presidente recém-eleita do país, a conservadora Park Geun Hye, declarou que pretende se encontrar com Kim Jong Un. Um pré-requisito, entretanto, seria a renúncia da Coreia do Norte a seu programa nuclear, condição rejeitada, contudo, pela liderança comunista em Pyongyang. Algo que chamou a atenção no discurso de Kim, entretanto, foi o fato de ele não ter mencionado o programa nuclear. Em vez disso, Kim conclamou ao desenvolvimento de armas mais sofisticadas.

Em meados de dezembro, a Coreia do Norte causou críticas internacionais ao lançar um míssil de longo alcance. De acordo com o país comunista, o artefato se destinava a colocar em órbita um satélite meteorológico. Os Estados Unidos e as Nações Unidas, no entanto, suspeitam se tratar de um míssil balístico, o que é vetado à Coreia do Norte por resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

MD/afp/dapd/dpa/rtr
Revisão: Francis França

Leia mais