Justiça italiana anula acusações de suborno contra Berlusconi | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.02.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Justiça italiana anula acusações de suborno contra Berlusconi

"Caso Mills" ameaçava render a ex-primeiro-ministro italiano cinco anos de prisão, mas foi anulado por prescrição. Sílvio Berlusconi era acusado de ter pago testemunha para depor a seu favor em escãndalo de corrupção.

default

Berlusconi não enfrentará mais processo no 'caso Mills'

A Justiça italiana anulou as acusações de suborno contra o ex-chefe de governo da Itália Sílvio Berlusconi, neste sábado (25/02). A corte de Milão considerou que o caso prescrevera.

Os promotores entraram com a ação judicial em 2009, pedindo cinco anos de prisão para Berlusconi por ter supostamente pago ao ex-advogado tributário inglês David Mills para que prestasse falso testemunho a seu favor em dois julgamentos nos anos 1990. O escândalo ficou conhecido como "caso Mills".

O bilionário da mídia italiana não estava presente na sala onde a decisão judicial foi anunciada pela juíza Francesca Vitale. Porém, Berlusconi havia se deslocado de Roma para Milão pela manhã para acompanhar o jogo de futebol do Milan, time do qual é presidente, contra a Juventus, pelo campeonato italiano de futebol. Na véspera, ele declarara que o processo Mills seria simplesmente "inventado", assim como tantas outras ações jurídicas contra ele.

O promotor Fabio de Pasquale se retirou da sala de audiências profundamente decepcionado, recusando-se a prestar declarações à imprensa. "Só quero estar fora daqui", desabafou. A acusação reclama que o processo ainda teria mais alguns meses de vigor, expirando somente em julho de 2012. Os advogados de Berlusconi também se recusaram a comentar a decisão.

Dezenas de processos

Sílvio Berlusconi era acusado de ter pago cerca de 600 mil dólares a Mills para que prestasse falso testemunho. Em fevereiro de 2009, o advogado foi julgado à revelia e condenado a quatro anos e meio de prisão; mas no ano seguinte o Supremo Tribunal deliberou que os atos que pesavam contra Mills estavam prescritos, por haverem sido cometidos há mais de dez anos. Na justificativa da sentença, contudo, os juízes se referem a "um caso muito sério de corrupção", o que implicitamente aponta para culpa por parte de Berlusconi.

Demonstration Italien Silvio Berlusconi

Protestos contra escândalos Berlusconi, em fevereiro de 2011

Durante o processo, Berlusconi insistiu que não conhecia David Mills. "Mills era um entre muitos advogados que trabalhavam ocasionalmente para o Fininvest no exterior. Não me lembro de jamais tê-lo encontrado", assegurou. Mesmo que fosse condenado, era improvável que o magnata de 75 anos fosse forçado a cumprir a pena de prisão.

Figura determinante da política italiana nas últimas duas décadas, ele renunciou a seu terceiro mandato como primeiro-ministro italiano em novembro de 2011, após longa resistência e cercado por acusações de todo tipo. O caso Mills é apenas um entre vários processos que já foram movidos contra Berlusconi em Milão, abrangendo corrupção, fraudes contábeis e financiamento ilícito de seu partido político. Todos os processos têm tramitação penosa na Justiça italiana.

Um dos processos mais recentes e emblemáticos envolve uma adolescente marroquina, com a qual o ex-premiê teria pago para ter relações sexuais, usando sua influência para encobrir o caso. Ambos os envolvidos negam as acusações.

MP/afp/ape/rtr
Revisão: Augusto Valente