Justiça decreta prisão de viúva do embaixador grego | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 30.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Justiça decreta prisão de viúva do embaixador grego

Policial militar confessa ter assassinado diplomata. Polícia confirma crime passional e envolvimento de esposa. Embaixador foi morto em casa na noite de segunda-feira.

A polícia do Rio de Janeiro afirmou nesta sexta-feira (30/12) que o policial militar com quem a esposa do embaixador da Grécia no Brasil teria um caso amoroso confessou ter assassinado o diplomata. A Justiça do Rio decretou a prisão temporária do casal e de um primo do policial que estaria envolvido no crime.

O embaixador da Grécia, Kyriakos Amiridis, 59 anos, estava desaparecido desde segunda-feira à noite. A esposa dele, a brasileira Françoise, comunicou a ausência dele à polícia nesta quarta-feira.

O corpo de Amiridis foi encontrado dentro de um veículo incendiado que estava embaixo de um viaduto do Arco Metropolitano, em Nova Iguaçu (RJ).

De acordo com o delegado Evaristo Pontes Magalhães, o policial Sérgio Gomes Moreira Filho, de 29 anos, confessou que matou o diplomata na noite de segunda-feira na sua própria casa em Nova Iguaçu.

Françoise teria planejado o assassinato há alguns dias antes do crime. Ambos estão presos. A Justiça decretou a prisão temporária dos dois e de mais um suspeito de estar envolvido no caso – um primo de Moreira – por 30 dias.

O primo de Moreira ajudou a retirar o corpo do embaixador da casa e afirmou que a esposa da vítima lhe ofereceu 80 mil reais pelo crime. Em depoimento, a esposa do diplomata disse que era constantemente agredida pelo marido. Ela nega envolvimento no assassinato.

Magalhães disse ainda que não foi possível determinar a causa da morte do embaixador, devido ao estado do corpo, que foi queimado, mas, pelas manchas encontradas num sofá no local do crime, a polícia trabalha com a hipótese de esfaqueamento. O delegado afirmou que o crime foi passional. Moreira e Françoise tinham um envolvimento amoroso.

O diplomata, que foi cônsul da Grécia no Rio de Janeiro entre os anos de 2001 e 2004 e assumiu como embaixador em Brasília no início deste ano, passava em Nova Iguaçu suas férias de fim de ano. Ele iniciou sua carreira diplomática em 1985 e foi titular na Líbia entre os anos 2012 e 2016, antes de assumir como embaixador em Brasília.

CN/rtr/afp

Leia mais