Jucá se licencia do Ministério do Planejamento | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 23.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Jucá se licencia do Ministério do Planejamento

Após vazamento de gravações, Romero Jucá afirma que decisão foi pessoal e diz que fica fora da pasta até Ministério Público se manifestar sobre a conversa na qual ele teria sugerido pacto para frear a Lava Jato.

Após o vazamento de gravações da Operação Lava Jato, o ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou nesta segunda-feira (23/05) que irá se licenciar do cargo até o Ministério Público Federal (MPF) se manifestar sobre a conversa na qual ele teria sugerido um pacto para paralisar as investigações.

"Vamos aguardar a manifestação do Ministério Público com toda a tranquilidade, porque estou consciente que não cometi nenhuma irregularidade e muito menos qualquer ato contra a apuração da Lava Jato, apoiei a Lava Jato", disse Jucá, em entrevista no Congresso Nacional, condenando o teor da reportagem que revelou as gravações e alegando que as frases foram colocadas "fora do contexto".

O ministro disse que após o pronunciamento do MPF sua volta ao cargo será decidida pelo presidente interino Michel Temer. "Caberá ao presidente Temer me reconvidar ou não, ele vai discutir o que vai fazer". Jucá alegou ainda que a decisão de se licenciar foi pessoal e que Temer o teria dado um voto de confiança.

Durante a licença, Jucá reassumirá o mandato de senador. O peemedebista afirmou ainda que protocolará um pedido na Procuradoria-Geral da República (PGR) para que o órgão avalie se a gravação possui irregularidades que comprometam sua permanência no ministério. Por enquanto, a pasta ficará no comando do secretário-executivo Dyogo de Oliveira.

Pacto contra operação

Nas gravações divulgadas pelo jornal Folha de São Paulo, Jucá teria sugeriu um pacto para tentar paralisar a operação que investiga o esquema de corrupção na Petrobras, em conversa com o ex-diretor da Transpetro Sérgio Machado.

Antes do anúncio da licença, o senador negou ter tentado frear a Lava Jato. "Nunca cometi e nem cometerei qualquer ato para dificultar qualquer operação", disse, ressaltando que sempre apoiou investigações desse tipo.

Durante a entrevista, questionado sobre o trecho no qual afirmou que o governo teria que mudar para "estancar essa sangria", Jucá alegou se referir ao cenário da economia e não à Lava Jato.

O senador é um dos políticos citados na Operação Lava Jato e está na lista de investigados enviada pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal no início de 2015. No final de abril deste ano, a ministra Cármen Lúcia, relatora da Operação Zelotes, abriu um inquérito para investigar a suspeita de envolvimento do presidente do Senado, Renan Calheiros, e de Jucá na venda de emendas e medidas provisórias.

CN/rtr/abr

Leia mais