Jovem cinema brasileiro mostra sua vivacidade em Berlim | Cobertura especial sobre o Festival de Cinema de Berlim | DW | 08.02.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Berlinale

Jovem cinema brasileiro mostra sua vivacidade em Berlim

Com temas relacionados aos jovens dentro e fora do país, três diretores brasileiros foram selecionados para o programa Generation, que apresenta o melhor da produção mundial de temática jovem na Berlinale.

Apesar dos poucos longas selecionados nas mostras da Berlinale deste ano, o curta-metragem brasileiro não tem do que reclamar. Três filmes com diferentes e marcantes características foram selecionados para a mostra Generation, voltada a crianças e adolescentes.

O público em Berlim poderá ver o mundo através dos olhos de diretores brasileiros em filmes que mostram um olhar estrangeiro sobre a história universal, um amor que pode se abalar com uma surpresa e uma animação que mostra como vivem homens e animais nas cidades grandes.

Berlinale 2013 O Destimação

"Destimação" mostra solidão da vida na cidade grande

Papagaio solitário  

O encontro de um garoto com um papagaio ranzinza num apartamento sujo e escuro é o mote do curta Destimação. O pássaro é seduzido pelas belas imagens de uma caixa de luz e atrapalha a convivência melancólica da casa. No desenrolar dos treze minutos da animação estão entrelaçadas questões como o tráfico de animais, os bichinhos de estimação e a solidão de algumas vidas metropolitanas. 

"O curta não é só uma crítica ao modo como as crianças vivem nas grandes cidades, mas também a como os adultos às vezes adotam os apartamentos como uma forma segura e isolada de viver, na medida em que os espaços públicos de convivência somem", disse o diretor Ricardo de Podestá em entrevista à DW Brasil.

O filme foi produzido em computação gráfica, do cenário à animação dos personagens. "Trabalhamos com o traço bem solto, sem muita preocupação com a simetria, inspirados no grafite. Os cenários têm uma série de referências a desenhos animados antigos, brincando com distorções de perspectivas e profundidade", explicou Podestá.

Sem diálogos, a sonoplastia segue a mesma textura dos cenários, misturando sons feitos com a boca, elementos e efeitos digitais. A trilha sonora foi feita com trompete, que marca o ritmo entre a melancolia e o humor.

Berlinale 2013 Xe tải của bố Xe tai cua bo My Father's Truck

"O caminhão do meu pai" contou com uma equipe de profissionais do Brasil, Vietnã, EUA e Tailândia

Curta pioneiro

O Caminhão do Meu Pai conta a história de uma menina vietnamita de dez anos que, após ter um dia ruim na escola, pede para passar o dia com seu pai, um caminhoneiro. Pelas estradas do Vietnã, ele transporta agricultores pelos campos de arroz. Ao descobrir que seu pai tem outras atividades, a menina também percebe que nem tudo na vida parece ser o que é.

O curta é a primeira coprodução entre o Brasil e o Vietnã e foi totalmente rodado no país asiático. O diretor e roteirista Mauricio Osaki contou com uma equipe de profissionais do Brasil, Vietnã, Estados Unidos e Tailândia, o que foi imprescindível para vencer o desafio de rodar com um elenco que falava apenas vietnamita.

A decisão de rodar no país surgiu da experiência que o diretor teve ao mudar para a Cingapura. Em uma visita ao Vietnã em 2011, ele encontrou similaridades com as memórias que tinha de sua infância no Brasil.

"Quando criança, costumava viajar de carro com meus pais e ficava fascinado pelo cenário cheio de vida, as pessoas e as histórias interessante que vinham à minha mente", disse o diretor. Sensação que ele teve ao dirigir pelas estradas e cidades do Vietnã.

Originalmente, o curta deveria contar a história de pai e filho. Osaki mudou de ideia quando conheceu a pequena Mai Vy, que unia a sensibilidade e força fundamentais para o papel. Uma mudança da qual o diretor não se arrepende.

Berlinale 2013 O Pacote

"O Pacote" aborda a dificuldade de se iniciar uma relação amorosa sob a sombra do vírus do HIV

Gente como a gente

A ideia para o curta O Pacote nasceu quando o diretor Rafael Aidar leu no jornal uma pesquisa do Ministério da Saúde que dizia que, mesmo com acesso a informação, o número de infectados com o HIV não parava de crescer, principalmente entre jovens gays. "Fiquei surpreendido e chocado com a banalização da doença", disse o diretor à DW Brasil. "Também conheço pessoas soropositivas e sei a angústia e o medo que é revelar sua condição."

Juntar um fato real com uma comoção pessoal é o que move O Pacote. "Não queria atingir a um só público, mas trazer uma mensagem universal de aceitação e tolerância, contando a história de maneira sutil, respeitosa e delicada", explicou o diretor. O curta se passa em um bairro da periferia de São Paulo, onde o jovem Leandro ingressa em uma nova escola. Logo ele conhece Jefferson. Os dois começam a ficar muito próximos até que decidem ficar juntos. A relação é posta à prova quando Jefferson revela que é HIV positivo.

O elenco, segundo o diretor, foi primordial para contar uma história que atingisse diferentes públicos, classes sociais e identidades sexuais. "Dois pontos muito trabalhados foram a construção dos personagens e a química entre eles. Um fato que colabora com a identificação do público: os atores têm cara de gente comum, que vemos na rua, no dia a dia. Pensei nisso desde sempre e me sinto abençoado pelo elenco incrível que atraí para o filme," disse Aidar.

O curta ainda não foi exibido no Brasil e tem sua estreia mundial na Berlinale. "Estamos motivados a desembrulhar O Pacote no mundo todo para compartilhar uma mensagem universal: não importa o pacote que cada um carrega. Todos nós temos o direito de amar e ser amados e nos sentirmos incluídos e aceito."

Autor: Marco Sanchez
Revisão: Francis França

Leia mais