Joe Biden anuncia doação de 20 milhões de vacinas | Notícias internacionais e análises | DW | 17.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

Joe Biden anuncia doação de 20 milhões de vacinas

Anúncio inclui doses da Pfizer/Biontech, da Moderna e da Johnson & Johnson. Governo americano já havia se comprometido a doar 60 milhões de doses da vacina AstraZeneca-Oxford paradas nos estoques.

USA | COVID-19-Impfprogramm | Joe Biden Rede

"Precisamos ajudar a combater a doença ao redor do mundo para que estejamos seguros aqui em casa", disse Biden

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou nesta segunda-feira (17/05) que irá enviar mais 20 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 para outros países até o final de junho.

Em abril, o presidente já havia anunciado a doação de 60 milhões de vacinas da AstraZeneca-Oxford, mas o anúncio desta segunda inclui pela primeira vez vacinas que já foram aprovadas nos EUA. Com isso, o total de doses a serem doadas pelos EUA para outros países chega a 80 milhões.

As 20 milhões de vacinas incluem doses dos imunizantes da Pfizer/Biontech, da Moderna e da Johnson & Johnson.  Ao contrário dos outros imunizantes, a vacina da AstraZeneca ainda não está autorizada para uso nos Estados Unidos e segue em depósitos, sem uso.

"Assim como na Segunda Guerra Mundial a América foi o arsenal da democracia, na batalha contra a pandemia de Covid-19 nossa nação será o arsenal de vacinas", disse Biden, em referência ao poder industrial dos EUA durante o último conflito mundial.

O governo americano não especificou quais países devem receber as 20 milhões de vacinas. Parte dos estoques de doses da AstraZeneca já foram enviados para o México e Canadá, vizinhos dos EUA. Em março, o presidente do Senado brasileiro, Rodrigo Pacheco, enviou uma carta ao governo americano solicitando que o país sul-americano pudesse comprar as vacinas paradas nos EUA.

Biden também observou que nenhum outro país enviará mais vacinas ao exterior do que os Estados Unidos. "Precisamos ajudar a combater a doença ao redor do mundo para que estejamos seguros aqui em casa, e para fazer o certo ao ajudar os outros. É a coisa certa a fazer", completou Biden.

Os EUA administraram mais de 272 milhões de vacinas contra a covid-19 e distribuíram aos 50 estados do país mais de 340 milhões doses, de acordo com dados federais atualizados na manhã desta segunda-feira.

Com quase 60% dos adultos americanos imunizados pelo menos com a primeira dose, o país está bem à frente de muitas nações como o Brasil e a Índia, que lutam para controlar surtos de covid-19.

Ainda nesta segunda-feira, Biden anunciou que pela primeira vez durante a pandemia houve queda nos números de casos de covid-19 nos 50 estados do país.

O "progresso é inegável, mas ainda não terminamos", advertiu o presidente americano, que fez um novo apelo à população para que se vacine. "Você pode se proteger sendo vacinado ou pode se preocupar (com o contágio) usando máscara até ser vacinado", disse Biden em discurso na Casa Branca.

O presidente também advertiu que nos estados onde a vacinação está avançando menos existe o risco de que os bons dados agora registrados possam piorar novamente e frisou que será uma "tragédia desnecessária" ver aqueles que resistem à imunização acabarem infectados.

Depois de destacar o fato de que 60% da população adulta já recebeu ao menos uma dose da vacina, Biden afirmou que a "luz no final do túnel" está ficando "mais brilhante" a cada dia. Biden pediu o esforço de todos para que seja alcançada a meta de vacinar 70% dos adultos com pelo menos uma dose até a celebração do Dia da Independência do país, em 4 de julho.

jps (efe, reuters, ots)