Japão aprova uso do Exército no exterior | Notícias internacionais e análises | DW | 18.09.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Japão aprova uso do Exército no exterior

Parlamento muda lei que, desde o fim da Segunda Guerra, impedia país de participar de missões militares. Polêmica, decisão conta com oposição da maioria da população, para quem mudança fere Constituição pacifista.

O Parlamento do Japão aprovou neste sábado (20/09) uma lei que permite ao país o envio de tropas ao exterior, numa decisão tomada em meio a intensos protestos da oposição e de parte da população, que consideram que ela enfraquece a Constituição pacifista.

O primeiro-ministro Shinzo Abe afirmou que a mudança na política de defesa – a maior desde a reestruturação militar japonesa de 1954, quando um Exército foi constituído – é vital para enfrentar novos desafios, como a ascensão da China. O Exército japonês não participa de combates fora de seu território desde a Segunda Guerra Mundial.

"Esta reforma é necessária para proteger a vida do povo japonês ", disse Abe à TV pública ao término da sessão parlamentar.

A medida permitirá às chamadas Forças de Autodefesa do Japão defender aliados e prestar-lhes apoio logístico se forem atacados. Elas poderão também participar de operações de segurança da ONU, algo que até agora limitado pelo artigo 9º da Constituição.

A votação definitiva da emenda se estendeu até depois da meia-noite e aconteceu após dois dias de áspera discussão, que levou parlamentares aos tapas e milhares de manifestantes às portas do plenário para protestar contra a reforma.

Segundo pesquisas, mais de 60% dos japoneses são contra a medida e consideram que ela não contribuirá para melhorar a segurança do Japão. Os detratores dizem que a mudança seria o primeiro passado para o abandono do pacifismo consagrado na Constituição e que o Japão poderia acabar arrastado para guerras iniciadas por seu principal aliado, os EUA.

Os Estados Unidos, aliado do Japão, elogiaram as mudanças. A China, porém, expressou preocupação com a nova legislação e voltou a dizer que ela põe em risco "o caminho do desenvolvimento pacífico" do país e a "estabilidade regional"

"Recentemente temos notado que as vozes de oposição à lei no Japão se tornaram mais altas. Nós exigimos que o Japão ouça as vozes internas e externas ", afirmou o porta-voz do Ministério chinês do Exterior Hong Lei, em comunicado.

CN/rtr/dpa

Leia mais