Itália sob risco de guinada ainda mais à direita | Notícias internacionais e análises | DW | 09.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Itália

Itália sob risco de guinada ainda mais à direita

Matteo Salvini quer dissolver coalizão de governo em Roma. Se houver novas eleições, e o populista de direita vencer, será um problema grave para UE, pois ele culpa Bruxelas por tudo.

Premiê italiano, Matteo Saivini, sentado em barco da polícia à beira-mar

De férias no litoral italiano, Salvini anuncia fim da coalizão de governo

O vice-primeiro-ministro italiano, ministro do Interior e líder do partido ultradireitista Liga, Matteo Salvini, pôs fim à coalizão com o antissistema Movimento 5 Estrelas a partir da praia. Nas últimas duas semanas, ele esteve de férias no litoral, andando sem camisa em bares praieiros, brindando com dançarinas em tanga de leopardo, tentando a sorte como DJ.

Enquanto essas imagens se espalhavam nas mídias sociais, durante a noite Salvini realizava comícios eleitorais em praças centrais. Finalmente, em Pescara, ele perdeu a paciência, exigiu novas eleições e anunciou imediatamente seu objetivo: "Quero me tornar primeiro-ministro."

Ele disse não querer ter mais nada a ver com os "apologistas do não" do Movimento 5 Estrelas, precisando estar livre para alcançar seus objetivos. E urgiu os parlamentares, atualmente em recesso de verão, a "levantarem a bunda e vir às Câmaras". Os italianos gostam do estilo descontraído do ministro do Interior, que fez da anti-imigração seu sucesso de vendas eleitoral.

Depois de vencer as eleições europeias em maio e vários pleitos regionais, Matteo Salvini sentiu-se forte o suficiente para arriscar um salto para o Palácio Chigi, a sede do primeiro-ministro em Roma, com seu partido de extrema direita Liga.

Excepcionalmente, a crise do governo irrompe em meados de agosto, o principal período de férias na Itália. Os italianos estão acostumados a crises governamentais. O país está agora a caminho do seu 66º governo após a Segunda Guerra Mundial.

Com 14 meses de existência, a coalizão entre populistas de direita e eurocéticos antissistema estava entre as alianças governamentais mais longevas na Itália. Guiseppe Conte, primeiro-ministro sem partido, diz sentir-se enganado. O professor – que nunca ocupara um cargo político e atuou como uma ponte entre os partidos da coalizão eternamente desarmônicos – esbravejou: "Não cabe ao ministro do Interior finalizar governos ou prescrever ao Parlamento o que fazer em seguida."

Giuseppe Conte (picture-alliance/dpa/ZUMAPRESS/V. Livieri)

Premiê Giuseppe Conte, irritado: "Ministro do Interior não pode dissolver coalizão de governo"

Para apressar o chefe de governo e oficializando a crise, a Liga apresentou ao Senado uma moção de desconfiança contra Conte. A presidente do órgão, Elisabetta Casellati, convocou para a segunda-feira uma reunião para decidir sobre a realização da votação. Então os membros do 5 Estrelas e da legenda ultradireitista teriam que assumir posição. Os custos de arrancar os deputados de suas férias e trazê-los a Roma são altos.

Se Giuseppe Conte não tiver sucesso, então o presidente da República, Sergio Mattarella, pode encarregar outro político de formar uma maioria no governo. Se isso fracassar, Mattarella poderia instalar um governo tecnocrático para segurar a Itália nos próximos meses.

O chefe de Estado, que anteriormente revelara uma profunda aversão a populistas como Salvini, também poderia dissolver o Parlamento e convocar novas eleições. Estas já poderiam acontecer no fim de setembro, início de outubro ou no fim do ano.

Nas pesquisas de opinião, gira em torno de 36% a aprovação de Matteo Salvini, com sua Liga populista de direita. O Movimento 5 Estrelas, fundado pelo comediante e milionário Beppe Grillo, caiu para o terceiro lugar sob a liderança de Luigi Di Maio. Na eleição de 2018, o movimento eurocético e antissistema saíra como partido mais forte.

Para governar, Salvini precisaria do apoio dos Irmãos da Itália, que em países como a Alemanha seriam chamados de fascistas ou neonazistas. Também não estaria descartada uma coalizão com o conservador-nacionalista Força Itália, de Silvio Berlusconi.

O ex-primeiro-ministro de 82 anos poderia se tornar algo como o fiel da balança após as prováveis novas eleições. Também é possível que ele mesmo, mais uma vez, seja o principal candidato de seu partido de centro-direita.

Preocupações da UE com a Itália

Do ponto de vista da União Europeia, a crise de governo, como sempre acontece na Itália, vem num momento inoportuno. Como terceira maior economia da zona do euro, ela enfrenta uma crise econômica, e o fracassado governo populista não conseguiu implementar as reformas estruturais.

O endividamento público– excessivo, na visão do comissário de Finanças da UE, Pierre Moscovici – de 2,3 trilhões de euros não foi reduzido. Os bancos italianos continuam em apuros.

Em outubro, o governo em Roma terá que apresentar em Bruxelas um orçamento para 2020. Ele deverá explicar como pretende enfrentar a montanha de dívidas e « cumprir as exigências da Comissão Europeia. Se isso não acontecer, paira a ameaça de um procedimento formal de endividamento excessivo.

O líder da Liga, Salvini, já anunciou que não se submeteria a um "ditado" fiscal de Bruxelas. O populista de direita flerta com a ideia de fazer mais dívidas e até mesmo com uma espécie de moeda paralela para a Itália. Não somente por isso, ele é visto por muitos políticos em Bruxelas como um homem perigoso.

O possível próximo primeiro-ministro da Itália anunciou uma "revolução da UE" a partir de dentro. Nesse ponto, ele está muito próximo das ideias desconstrutivistas de Steve Bannon. O ex-assessor do presidente americano, Donald Trump, também aconselha o chefe da Liga e o ajuda em sua eterna campanha eleitoral.

Depois do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, Matteo Salvini seria o segundo chefe de governo abertamente nacionalista na UE. Para o bloco europeu, com um líder de extrema direita na Itália, se tornaria totalmente impossível uma solução das questões em aberto sobre a migração e distribuição de refugiados.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais