Israel constrói muro em Jerusalém Oriental | Notícias internacionais e análises | DW | 19.10.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Israel constrói muro em Jerusalém Oriental

Barreira de nove metros de altura é orçada em 4 milhões de euros e é resposta à escalada de violência entre israelenses e palestinos na fronteira com a Cisjordânia, que já causou quase 50 mortes em menos de um mês.

O governo de Israel anunciou nesta segunda-feira (19/10) a construção de um muro em Jerusalém Oriental, palco de recentes conflitos entre israelenses e palestinos. A barreira de nove metros de altura vai dividir os distritos de Jabal Mukaber, no lado palestino, e Armon Hanaziv, no lado israelense. A construção está estimada em 4,6 milhões de euros.

Desde o início do mês, mais de 40 palestinos e sete israelenses morreram na atual onda violência em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia, provocada em parte pela ira dos palestinos sobre o que eles veem como uma invasão judaica na mesquita de Al-Aqsa, local considerado sagrado também pelos judeus.

Jerusalém Oriental foi anexada ao território israelense em 1967 depois da Guerra dos Seis Dias. O governo israelense também planeja construir barreiras no limite com os distritos árabes de Dschabel Mukaber e Sur Baher.

O Ministério alemão do Exterior pediu que os dois lados evitem agravar a violência. "Estamos muito preocupados com a situação de Israel e os territórios ocupados na Cisjordânia", afirmou a porta-voz Sawsan Chebli.

Mediação do conflito

Um imigrante da Eritreia linchado por uma multidão e morto com um tiro por um guarda israelense foi identificado nesta segunda-feira. Mila Abtum, um trabalhador rural, foi confundido com um homem armado após um suposto ataque numa estação de ônibus na cidade de Beersheba.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que tem reforçado a presença de soldados na fronteira do país com a Cisjordânia, fez um alerta aos civis. "Somos um país com leis. Ninguém pode fazer justiça com as próprias mãos", afirmou.

O secretário de Estado americano, John Kerry, que vai se reunir nesta semana com Netanyahu, na Alemanha, e com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, no Oriente Médio, pediu que "se restabeleça a calma."

KG/afp/dpa/rtr

Leia mais