Isolamento e saúde mental | DW Brasil | Notícias e análises do Brasil e do mundo | DW | 20.05.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

NOTÍCIAS

Isolamento e saúde mental

Estudos na Antártida comprovam que o cérebro pode diminuir por causa da escuridão e isolamento prolongados. Como evitar isso no contexto da pandemia? Você vai saber no Futurando.

Cientistas alemães estudam mudanças físicas e compartimentais resultantes do isolamento de nove meses na estação Neumayer, no Polo Sul. Os efeitos do confinamento durante o inverno polar estão sendo avaliados no hospital universitário Charité de Berlim. O estudo será usado para auxiliar no treinamento de astronautas. Soluções encontradas na pesquisa também podem ser aplicadas durante o período de distanciamento social imposto pela pandemia de covid-19. Veja no Futurando desta semana o que é possível fazer para minimizar os danos.

Medo, estresse, preocupação: três palavras que a Organização Mundial da Saúde relaciona à possibilidade de desenvolvermos sofrimento mental por conta das atuais circunstâncias. Sobre o assunto, a equipe da DW Brasil conversou com o psicoterapeuta cognitivo-comportamental Santhiago Souza, mestre e doutor em psicologia pela UFMG. Ele orienta a respeito de como lidar com dificuldades e impactos psicológicos neste momento. E destaca a atenção necessária com grupos vulneráveis, como idosos e crianças, além dos profissionais de saúde que estão sob pressão constante.

O Sars-Cov-2 está no centro das discussões porque nos adoece, mas existem os chamados "vírus do bem". Vamos mostrar no Futurando o que seriam esses vírus e como eles podem substituir o uso de antibióticos no tratamento de infecções bacterianas.

Da mesma forma que nem todos os vírus são prejudiciais, muitas bactérias também não. Algumas garantem a nossa saúde desde o nascimento. Pesquisadores destacam a importância das bactérias de secreções maternas adquiridas pelo bebê durante o parto normal. O programa também apresenta uma pesquisa do Hospital Universitário de Munique que comprova a ligação de bactérias intestinais com a depressão.