Irã sinaliza mudança de curso na política nuclear | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.02.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Irã sinaliza mudança de curso na política nuclear

Para supresa dos países ocidentais, o governo de Ahmadinejad dá mostras de que pretende mudar sua política em relação à energia nuclear. Governos europeus aguardam "sinais mais concretos" de Teerã.

default

Ocidente reage com cautela a declarações do presidente iraniano

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou em entrevista a uma televisão estatal iraniana, nesta terça-feira (02/02), que seu governo vai aceitar que o urânio iraniano seja enriquecido no exterior, como proposto pelas Nações Unidas.

Segundo ele, o Irã não tem objeções ao fato de que o urânio seja enviado para o exterior, a fim de ser enriquecido, e mandado de volta alguns meses mais tarde ao país.

Não se sabe ainda até onde irão as concessões feitas por Ahmadinejad. De qualquer forma, o governo norte-americano se mantém, a princípio, cético em relação à questão.

O anúncio feito pelo presidente, caso de fato se concretize, significará uma mudança radical na política nuclear do país. Principalmente as nações ocidentais vêm exigindo há muito que o Irã abdique do enriquecimento do urânio dentro do próprio país.

Ceticismo inicial

Embora Ahmadinejad tenha mencionado um período de quatro a cinco meses para que o urânio enriquecido retorne ao país, analistas ocidentais consideram esse período relativamente curto.

A proposta do Ocidente seria a de que o urânio enriquecido retornasse ao Irã somente um ano mais tarde, a fim de gerar energia para usinas e não para ser usado na construção de bombas.

Ahmadinejad não confirmou a hipótese de que todo o urânio extraído no Irã venha a ser enviado para o exterior, como a comunidade internacional reivindica. Os países ocidentais partem do princípio de que o governo iraniano utiliza o urânio para construir armas atômicas.

A Casa Branca reagiu com ceticismo em relação às declarações do presidente iraniano, "Se as declarações de Ahmadinejad expressam uma atual posição iraniana, esperamos que o Irã informe a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA)", afirmou Mike Hammer, porta-voz do governo norte-americano.

Também o governo do Reino Unido reagiu com cautela às declarações de Ahmadinejad. Caso o Irã resolva aceitar as sugestões da AIEA, afirmou um porta-voz do ministro britânico do Exterior, este seria "um sinal positivo da disponibilidade" do país em cooperar.

Comentários de Berlim

O governo alemão também reivindicou de Teerã uma posição mais clara em relação à questão. Berlim espera "confirmações concretas" do Irã, segundo acentuou Ulrich Wilhelm, porta-voz do governo, nesta quarta-feira (03/02), em Berlim. Somente uma "resposta concreta" à AIEA significaria, segundo Wilhelm, uma mudança real de curso na política nuclear do país.

Um porta-voz do Ministério alemão das Relações Exteriores salientou que a comunidade internacional aguarda há meses uma reação de Teerã. Enquanto nada de mais concreto acontece, afirmou ele, o governo alemão não se pronunciará em relação às recentes declarações de Ahmadinejad.

SV/dpa/afp/ap

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados