Irã mantém estoque de urânio dez vezes acima do limite | Notícias internacionais e análises | DW | 05.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Irã mantém estoque de urânio dez vezes acima do limite

Agência de energia atômica da ONU diz que Teerã continua a aumentar sua reserva de urânio enriquecido, em violação ao acordo de 2015. País, por outro lado, autorizou acesso do órgão a local suspeito de atividade nuclear.

Funcionário trabalha em máquina

Reservas iranianas já contêm mais de duas toneladas de urânio enriquecido, segundo Aiea

A Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea) denunciou nesta sexta-feira (04/09) que o Irã continua a aumentar as suas reservas de urânio enriquecido, e indicou que o país já detém mais de dez vezes o limite estabelecido pelo acordo nuclear internacional de 2015.

Segundo a agência das Nações Unidas, a reserva iraniana continha, em 25 de agosto, 2.105 quilogramas de urânio pouco enriquecido – ou seja, mais de duas toneladas –, enquanto o limite definido pelo pacto de cinco anos atrás equivalia a cerca de 202,8 quilogramas.

Em comparação, em 20 de maio a reserva de urânio do Irã acumulava um total de 1.571,6 quilogramas, segundo um relatório da Aiea da época.

A agência internacional, por outro lado, informou também nesta sexta-feira que seus inspetores finalmentes foram autorizados a visitar um dos dois locais suspeitos de terem armazenado material nuclear não declarado, ou terem sido cenário de atividades nucleares.

Ao longo do último ano, a Aiea tem feito questionamentos sobre os locais em Teerã e Isfahan. Nos últimos dias, funcionários da agência finalmente tiveram acesso a um deles e recolheram amostras que serão analisadas em busca de traços de materiais químicos. O segundo local suspeito deverá ser visitado ainda neste mês.

Em 2015, o país assinou um acordo com a Alemanha e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China –, em que se comprometeu a restringir seu programa nuclear em troca do relaxamento de sanções internacionais.

O acordo também limita o Irã a enriquecer urânio com uma pureza de até 3,67%, mas a Aiea indica que o enriquecimento tem atingido os 4,5%, como já vinha acontecendo.

Sob o governo do presidente Donald Trump, os EUA abandonaram o pacto em 2018 e reimpuseram sanções contra Teerã, prejudicando a economia iraniana.

Em resposta, o Irã começou a violar os termos do acordo em 2019, para pressionar os restantes signatários do pacto a compensarem as perdas resultantes da decisão de Washington.

EK/ap/dpa/lusa