Irã anuncia fim do embargo de armas da ONU | Notícias internacionais e análises | DW | 18.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Irã anuncia fim do embargo de armas da ONU

País saúda como "dia histórico" suspensão das restrições à compra e venda de armas por iranianos. Sob termos do acordo nuclear, embargo expiraria em 18 de outubro. EUA ameaçam punir quem negociar com o Irã.

O Irã afirmou que um embargo de armas de longa data da ONU expirou neste domingo (18/10), tornando o país livre para comprar e vender equipamentos pesados, como tanques e caças.

"A partir de hoje, todas as restrições às transferências de armas, atividades relacionadas e serviços financeiros de e para a República Islâmica do Irã foram automaticamente suspensas", diz um comunicado do Ministério do Exterior iraniano.

O país poderá, portanto, "adquirir armas e equipamentos necessários de qualquer fonte, sem qualquer restrição legal, e com base nas suas necessidades de defesa", continua o texto, dizendo ainda que o Irã poderá agora também exportar armas "com base em suas próprias políticas".

O ministro do Exterior iraniano, Mohammad Javad Zarif, comemorou este domingo como "um dia histórico para a comunidade internacional". "A normalização, hoje, da cooperação de defesa do Irã com o mundo é uma vitória para a causa do multilateralismo e da paz e segurança em nossa região", escreveu o ministro no Twitter.

O Conselho de Segurança da ONU impôs um embargo de armas ao Irã em 2007. As restrições, que proibiram a compra e a venda de armas e equipamentos militares pesados ao país, estavam programadas para expirar neste 18 de outubro, segundo as condições acertadas no acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano, firmado em 2015 entre Teerã e potências mundiais.

O objetivo do pacto, assinado por Irã, Rússia, China, Alemanha, Reino Unido, França e Estados Unidos, era impedir a República Islâmica de desenvolver seu programa nuclear, em troca do alívio de sanções econômicas internacionais ao país.

Contudo, o governo do presidente Donald Trump nos Estados Unidos acabou por elevar as tensões entre Washington e Teerã. Em 2018, os EUA se retiraram unilateralmente do acordo nuclear.

Em agosto deste ano, o Conselho de Segurança da ONU rejeitou um pedido do governo americano para prorrogar por tempo indeterminado o embargo de armas ao Irã, alegando que os Estados Unidos não tinham o direito de usar esse mecanismo, já que abandonaram o pacto há dois anos.

Após a decisão tomada pela maioria dos países com assento no Conselho, Washington reinstaurou unilateralmente as sanções que haviam sido suspensas sob o pacto internacional.

Neste domingo, o ministro do Exterior iraniano criticou o governo americano ao afirmar que a comunidade internacional "desafiou os esforços malignos dos EUA" para proteger a resolução do Conselho de Segurança e o acordo nuclear.

Em resposta ao fim do embargo, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, declarou que a venda de armas ao Irã violaria as resoluções das Nações Unidas e ameaçou impor sanções.

"Os Estados Unidos estão preparados para usar suas autoridades nacionais para punir qualquer indivíduo ou entidade que contribua materialmente para o fornecimento, venda ou transferência de armas convencionais de ou para o Irã", disse Pompeo em comunicado.

"Toda nação que busca paz e estabilidade no Oriente Médio e apoia a luta contra o terrorismo deve se abster de qualquer transação de armas com o Irã", completou.

EK/afp/ap/lusa

Leia mais