Inventor da fertilização in vitro ganha Prêmio Nobel de Medicina | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 04.10.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Inventor da fertilização in vitro ganha Prêmio Nobel de Medicina

Britânico Robert Edwards, criador do método de fertilização in vitro, foi laureado em Estocolmo por sua contribuição ao desenvolvimento da medicina moderna.

default

Robert Edwards

O fisiologista britânico Robert Edwards, criador do método de fertilização in vitro, ganhou nesta segunda-feira (04/10) o Prêmio Nobel de Mecidina. O júri em Estocolomo afirmou que a pesquisa do cientista "tornou possível tratar a infertilidade, uma condição médica que aflige mais de 10% dos casais mundo afora".

Edwards, de 85 anos, receberá o prêmio de 10 milhões de coroas suecas, equivalentes a quase 1,5 milhão de dólares, por esse "marco no desenvolvimento da medicina moderna", justificou o júri.

A nomeação dá início a uma semana de gratificações, incluindo as revelações dos próximos Nobeis de Literatura e da Paz, programados para quinta e sexta-feira. Nesta terça e quarta-feira serão anunciados os prêmios de Física e Química, e na próxima segunda o de Economia, encerrando a temporada de entregas de 2010.

Início da empreitada

Criada em 1978 com a ajuda do falecido colega Patrick Steptoe, a técnica garantiu, até hoje, o nascimento de 4 milhões de bebês. No entanto, antes de alcançar reconhecimento foi preciso que Edwards enfrentasse a oposição da igreja, de governantes e de setores da mídia, além de driblar o ceticismo dos colegas do universo científico.

Edwards começou sua pesquisa em 1950 e "seu esforço foi coroado com sucesso em 25 de julho de 1978, quando nascia Louise Brown, o primeiro bebê de proveta", afirmou o júri em nota.

A fertilização in vitro consiste na retirada do óvulo da mulher, que é fertilizado com esperma em laboratório. No início da divisão celular o embrião é colocado novamente no útero feminino para, então, dar origem a um bebê.

MDA/reuters/afp/dpa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais