Inventor admite pela primeira vez que matou jornalista sueca | Notícias internacionais e análises | DW | 09.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Inventor admite pela primeira vez que matou jornalista sueca

Peter Madsen, que cumpre prisão perpétua pelo assassinato de Kim Wall em 2017, já tinha confessado que esquartejou o corpo da repórter, mas insistia que morte foi acidental. Em novo documentário, ele admite o crime.

Peter Madsen de macacão azul

O crime ocorreu em agosto de 2017, a bordo de um submarino projetado por Madsen (foto)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, que cumpre pena de prisão perpétua pelo assassinato da jornalista sueca Kim Wall em 2017, admitiu o crime pela primeira vez em uma série documental que estreou na Dinamarca nesta quarta-feira (09/09).

A confissão foi feita a um jornalista que gravou secretamente mais de 20 horas de conversas telefônicas com o presidiário. Mais tarde, Madsen deu permissão para que os diálogos fossem levados ao ar, informou a Discovery Networks, que produziu a série.

Em The secret recordings with Peter Madsen, o inventor responde "sim" à pergunta sobre se ele matou a repórter. "É minha culpa ela ter morrido. E é minha culpa porque eu cometi o crime. É tudo minha culpa", diz ele, de acordo com a transcrição divulgada pelos produtores.

Madsen já havia admitido que esquartejou o corpo de Wall e o jogou ao mar, mas sempre negou ter matado a repórter, insistindo que a morte foi um acidente.

À época do julgamento, as declarações de Madsen não convenceram o tribunal em Copenhague, que o condenou pelo esquartejamento e também pelo assassinato. Em abril de 2018, ele foi sentenciado à prisão perpétua pelos atos bárbaros.

Kim Wall

Kim Wall tinha 30 anos quando foi assassinada

O crime ocorreu em agosto de 2017, a bordo de um submarino projetado por Madsen, um engenheiro autodidata famoso na Dinamarca por seus projetos de submarinos e foguetes.

A jornalista havia sido vista pela última vez em 10 de agosto daquele ano, quando embarcou no submarino caseiro UC3 Nautilus para entrevistar seu inventor. O dinamarquês foi detido no dia seguinte, ao voltar à costa sem a repórter.

O tronco de Wall foi achado no Mar Báltico duas semanas depois do crime, seguido de braços, pernas e cabeça, que estavam amarrados a pedaços de metal provavelmente para que afundassem no mar. Também foram encontradas a suposta serra usada para esquartejar o corpo e uma bolsa com a roupa que a vítima usava ao entrar na embarcação.

Ao longo da investigação, o inventor mudou várias vezes sua versão sobre a morte: primeiro alegou que a sueca havia batido a cabeça na escotilha, e mais tarde afirmou que ela teria sofrido uma intoxicação por monóxido de carbono.

Um relatório da autópsia apresentado durante o julgamento afirmava que Wall provavelmente morreu sufocada ou teve sua garganta cortada. Mas o estado de decomposição do corpo tornou impossível determinar a causa exata da morte, dizia o relatório.

Em setembro de 2018, Madsen perdeu um recurso contra sua condenação à prisão perpétua. Os juízes ratificaram a decisão anterior, afirmando que o caso era de uma "brutalidade incomum".

Kim Wall tinha 30 anos quando foi assassinada. A jornalista era uma profissional premiada que viajou o mundo para escrever suas reportagens, tendo feito apurações em países como Uganda, Cuba, Ilhas Marshall, Quênia e Estados Unidos.

EK/ots/dw

Leia mais