Inundações catastróficas na Alemanha são o novo normal? | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 20.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Clima

Inundações catastróficas na Alemanha são o novo normal?

Cientistas afirmam que a mudança climática desempenhou um papel nas chuvas torrenciais e enchentes que devastaram partes do oeste alemão e de países vizinhos. Eventos do tipo devem se tornar mais frequentes, alertam.

Rua alagada em Aachen, no oeste da Alemanha, em 14 de julho

Rua alagada em Aachen, no oeste da Alemanha, em 14 de julho

Mais de 160 mortes foram confirmadas na Alemanha e outras mais de 30 na vizinha Bélgica após inundações devastadoras na semana passada. Holanda e Suíça também foram atingidas. Chuvas torrenciais fizeram com que rios e represas transbordassem, e enchentes causaram fortes correntezas, arrastando carros e destruindo casas.

Nas últimas semanas, a Alemanha registrou grandes variações no clima, com temperaturas elevadas e seca seguidas de chuvas intensas. Até que as enchentes catastróficas assolaram o oeste alemão e países vizinhos.

Especialistas afirmam que eventos climáticos extremos como esse, que costumavam acontecer uma vez a cada geração, podem ocorrer com mais frequência no futuro e com mais intensidade – um sinal dos impactos da mudança climática.

"Normalmente, só vemos um clima como este no inverno", afirmou Bernd Mehlig, autoridade ambiental do estado da Renânia do Norte-Vestfália, um dos mais atingidos pela recente catástrofe na Alemanha, ao lado da Renânia-Palatinado. "Algo assim, com essa intensidade, é completamente incomum no verão", disse à emissora WDR.

"Esse é o novo normal", afirmou Johannes Quaas, meteorologista da Universidade de Leipzig. "A mudança climática também está mudando a definição de clima normal. Estamos lentamente nos aproximando de um novo normal que inclui padrões diferentes de precipitações."

Eventos climáticos mais intensos

Temperaturas mais altas fazem com que eventos climáticos extremos sejam mais intensos. Quando o ar esquenta, ele contém mais umidade, um fenômeno que cientistas descobriram já no século 19. Uma alta de 1 grau Celsius na temperatura aumenta a capacidade do ar de reter umidade em 7%. Temperaturas em ascensão em nível global também estão levando a uma evaporação mais rápida em terra e no mar – causando mais eventos de precipitação extrema e tempestades mais fortes.

Assistir ao vídeo 02:54

Solidariedade em meio à destruição causada por enchentes na Alemanha

"As chuvas que vimos na Europa nos últimos dias são condições climáticas extremas, cuja intensidade está sendo reforçada pela mudança climática – e vai continuar ganhando força com mais aquecimento", afirmou Friederike Otto, do Instituto de Mudança Ambiental da Universidade de Oxford.

O Serviço Meteorológico Alemão (DWD) afirmou que eventos de fortes precipitações se tornaram mais intensos com a alta das temperaturas. O DWD observou, no entanto, que foi registrado um maior aumento das temperaturas no inverno e que o quadro ainda não está claro para os meses de verão, quando fortes tempestades costumam ocorrer.

Um estudo sobre precipitações extremas durante o verão de 2013, que levaram a graves enchentes dos rios Danúbio e Elba, não identificou uma influência da mudança climática. O DWD afirmou que não pode dizer se o aquecimento global fez com que as inundações recentes fossem mais intensas até que um estudo do tipo seja feito.

Tempestades mais lentas

Duas semanas antes das inundações, uma pesquisa feita por um grupo de cientistas no Reino Unido apontou que o aquecimento global vai aumentar a probabilidade de chuvas intensas na Europa. O estudo sugere que, devido a uma redução na diferença de temperaturas entre os polos e os trópicos, tempestades se movem de maneira mais lenta do que costumavam fazer em verões passados. Isso poderia levar a fortes precipitações numa área específica e elevar o risco de enchentes.

De acordo com o estudo, tempestades que se movem lentamente – antes um evento incomum na Europa – podem ocorrer 14 vezes mais frequentemente em todo o continente até o fim deste século.

"Como um país industrializado, a Alemanha está se aquecendo duas vezes mais rápido do que a taxa de aquecimento global", afirma Quaas. "Isso significa que as chances de chuvas fortes são 20% maiores em comparação com o século 19 – e 10% maiores do que quando eu nasci, há cerca de quatro décadas."

Quando o solo e sistemas de drenagem não conseguem absorver a água rapidamente ou fatores como o desenvolvimento urbano impendem que a chuva se dissipe, pode haver inundações torrenciais e danos significativos.

Prever condições climáticas extremas não é difícil, mas ainda é quase impossível prever com precisão onde exatamente uma tempestade vai despejar grandes quantidades de chuva e que áreas serão mais afetadas, afirma Quaas. Isso faz com que seja difícil comunidades se prepararem para desastres e mitigarem as perdas, aponta.

Além disso, com a destruição de vegetação e de outras barreiras terrestres como resultado da mudança nos padrões de temperatura e clima, muitas zonas naturais de inundação desapareceram.

"Enquanto continuarmos emitindo CO2, provavelmente continuaremos vendo chuvas fortes como as recentes", conclui o meteorologista.

Leia mais