Instalação de artista acústica escocesa ocupa 3 mil metros quadrados | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 17.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Instalação de artista acústica escocesa ocupa 3 mil metros quadrados

Nascida em Glasgow e baseada em Berlim, Susan Philipsz ganhou o Turner Prize 2010 com mistura de gravações e voz ao vivo. Em "Seven tears", no Ludwig Forum, ela recicla obra com que "rodeou" a cidade de Londres.

***Achtung: Bild nur im Kontext der Ausstellung „Susan Philipsz – Seven tears“ at Ludwig Forum Aachen verwenden!!!*** Ludwig Forum: Ludwig Forum Aachen, main hall Photo: Ludwig Forum Aachen/Carl Brunn

Salão principal de exposições do Ludwig Forum, em Aachen

***Achtung: Bild nur im Kontext der Ausstellung „Susan Philipsz – Seven tears“ at Ludwig Forum Aachen verwenden!!!*** Portrait von Susan Philipsz. Photo: Photo: Ludwig Forum Aachen/Julian Abrams

Susan Philipsz

Susan Philipsz é a primeira artista a receber o prestigioso prêmio Turner britânico por uma obra que não se pode ver. Baseada em Berlim, contando 45 anos de idade e de porte mignon, ela tem se destacado no meio artístico internacional por suas grandiosas instalações sonoras.

Seven tears, sua obra mais recente e a maior que já apresentou num espaço fechado, acaba de estrear na cidade alemã de Aachen. Nela, Philipsz reuniu gravações executadas em espaços públicos na região de Londres, em 2010, acrescentando-lhes mais uma trilha de som: pois ela canta ao vivo, à capela, "esculpindo" sua penetrante voz em conjunto com a arquitetura, e reinventando a peça. Esse painel acústico é projetado nos 3 mil metros quadrados do Ludwig Forum, uma antiga fábrica de guarda-chuvas transformada em centro cultural.

"É o meu maior show", explica a artista nascida em Glasgow, Escócia. "No ano passado fiz o show Surround me com a Artangel [uma agência para agenciamento de obras de arte], e a coisa andou muito bem. Foi em seis espaços públicos diferentes em torno da cidade de Londres. Então Seven tears é, basicamente, todo o Surround me sob um mesmo teto, e eu queria encontrar um local de apresentação que pudesse fazer isso, onde a instalação ressoasse."

Fluidez, circulação, imersão

O Ludwig Forum de Aachen ofereceu-lhe o cenário perfeito. Philipsz utilizou sete peças musicais do final do século 16, início do 17, reinterpretando-as. A música é difundida através de 23 alto-falantes distribuídos pelo fórum. "Na época romana, as pessoas costumavam vir às estações de águas de Aachen, e há todas essas coisas que são semelhantes às que pesquisei durante o trabalho na exposição Surround me. Eu estava vendo madrigais dos séculos 16 e 17, e é nessa época que Aachen era famosa por suas fontes termais."

###Achtug: Die Verwendung der Bilder ist nur im Zusammenhang mit einer journalistischen Berichterstattung über die Ausstellungen und Veranstaltungen des Ludwig Forum gestattet.### aus Amusement des eaux d'Aix la Chapelle oder Zeit-Vertreib bey den Wassern zu Achen, 1737, Collection Crous, Aachen Susan Philipsz - „Seven Tears“ (10.07.–25.09.2011)

Gravura de 1737, da mostra 'Seven tears'

Fluidez, circulação, água, imersão: esses mesmos temas atravessam tanto a obra de Londres quanto a de Aachen. Assim, "a interação entre as peças pode ser vivenciada física e diretamente", conforme comentou à Deutsche Welle Anna Sophia Schultz, curadora do Ludwig Forum.

Susan Philipsz concordou, mas ressalvando que incorporar todos os elementos num único espaço constitui um desafio considerável. A instalação de Aachen "trata mais do efeito espacial e escultural, e de como uma voz chama a outra através do espaço do Ludwig Forum", explica a artista.

Brigitte Franzen, diretora do centro cultural, acrescenta que as temáticas de "especificidade de locação, contextualização e escultura foram cruciais para sua decisão de convidar a artista acústica a Aachen".

Arrepiantes baladas escocesas

Philipsz estudou arte em Dundee, em seu país natal, antes de ir para Belfast completar o seu Masters of Art. Lá ela passou uma década, antes de aceitar uma residência em Nova York. Lá conheceu Klaus Biesenbach, curador-chefe do Museu de Arte Moderna da metrópole norte-americana e diretor fundador do Instituto de Arte Contemporânea de Berlim Kunst-Werke. Este a convidou para a capital alemã, onde ela tem vivido os últimos dez anos.

As obras da escocesa podem ser apreciadas tanto na famosa galeria berlinense Isabella Bortolozzi, quanto na Tanya Bonakdar Gallery de New York. Em dezembro último, ela recebeu o Turner Prize de 2010, dotado em 28 mil euros. Philipsz começara a ficar conhecida na Escócia a partir de Lowlands. Originalmente, apresentada sob três pontes no centro de sua Glasgow natal, a instalação era centrada na voz de Philipsz, cantando três versões diferentes da balada escocesa Lowlands away, com um efeito arrepiante.

"Sempre adorei essas pontes", revela a artista. "Elas são simplesmente estupendas, tanto arquitetonicamente, como pelo tanto que dizem sobre a história, sobre o lado sombrio de Glasgow."

Em demanda internacional

Susan Philipsz: The Lost Reflection (Foto: Roman Mensing/sp07)

Philipsz ao apresentar projeto 'Lost reflection ' em Münster

Alguns críticos argumentam que as instalações são menos arte do que música folclórica. Porém galerias de todo o mundo parecem discordar, e fazem fila para contratar Philipsz, que está mais ocupada do que nunca. Logo após embolsar o cheque da Tate Gallery de Londres, ela disparou para Aspen, Colorado, onde outra encomenda a esperava.

"Tem sido fantástico ser convidada para todas essas exposições. Estou trabalhando numa instalação em Nova York, uma peça permanente para a Governor's Island", conta a escocesa. "Vou trabalhar nessa e numa outra peça permanente para a Tasmânia, e tenho um show no museu de Sydney. Então, tenho bastante pela frente."

O Ludwig Forum apresenta Seven tears até 25 de setembro de 2011. A instalação é acompanhada por uma série de filmes, apresentações teatrais, leituras e concerto no terreno do fórum, assim como visitas às termas de Aachen.

Autor: Lillian McDowall (av)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais