Ingo Metzmacher quer descobrir ″espírito alemão″ na música | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 17.01.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Ingo Metzmacher quer descobrir "espírito alemão" na música

Ingo Metzmacher, diretor musical da Orquestra Sinfônica Alemã de Berlim (DSO), acredita que a música está intimamente ligada ao espírito alemão e se impôs a difícil tarefa de traduzir a música para seu público.

default

Metzmacher: história deveria ter papel mais decisivo na música

DW-WORLD.DE: A história da Orquestra Sinfônica Alemã de Berlim (DSO) está diretamente vinculada à história da Alemanha. No entanto, você é seu primeiro diretor musical de nacionalidade alemã. Esse fato tem um significado especial?

Ingo Metzmacher: A orquestra foi fundada pelos americanos logo após a guerra, em 1946-47. É interessante saber que ela está ligada a esse período em que americanos, ingleses, franceses e russos realmente tentaram dar à Alemanha uma chance de se reconstruir.

Para mim, a orquestra representa essa Alemanha renascida após a Segunda Guerra Mundial. Ela teve uma sequência maravilhosa de regentes desde então, mas sou o primeiro alemão. Vivi cerca de dez anos na Bélgica e na Holanda, então acho que tenho também um background europeu ou internacional. Me sinto muito alemão, mas num contexto europeu e mundial.

A história singular desta orquestra exerce uma influência no perfil da mesma hoje?

Deveria exercer mais ainda. Ela se chama Orquestra Sinfônica Alemã de Berlim, então gostaria que representasse ainda mais o país e sua cultura. Temos mais de 20 nacionalidades atuando na orquestra, o que muito representa a Alemanha internacional que temos hoje – especialmente Berlim. Há uma mudança enorme na Alemanha e creio que esta orquestra jovem possa mostrar isso ao mundo.

DSO Orchesterfoto Ingo Metzmacher

A Orquestra Sinfônica Alemã de Berlim

Esta é sua segunda temporada à frente da DSO. Quais são suas metas?

Gostaria de reforçar o perfil que acabei de descrever e, ao mesmo tempo, manter sua alta qualidade musical. Tenho um projeto em mente para o tempo em que estarei aqui. Quero procurar o "espírito alemão" na música. Estou interessado na relação especial da cultura alemã com a música. Muitos dos principais compositores nasceram nos países de língua alemã. Observe a Alemanha, com seus teatros e orquestras, uma paisagem cultural que é única no mundo. Acho que isso representa as raízes profundas que temos, como alemães, na música e no teatro.

Em parte, isso se deve à posição geográfica da Alemanha no centro da Europa, sempre tendo que se confrontar com influências de todos os lados. E a cultura sempre foi capaz de adotar os aspectos positivos do que entrava no país. Você pode ver que, durante o tempo em que a Alemanha decidiu não aceitar nada de fora e apenas se concentrar nas raízes alemãs, ela falhou completamente. Foi um desastre. Creio que a riqueza da cultura alemã se deve ao fato de sempre ter aproveitado o que veio de fora.

O senhor é conhecido por seu interesse pela música moderna e contemporânea. Como surgiu esse interesse?

Surgiu quando eu tinha uns 20 anos. Venho de uma família muito tradicional, de orientação clássica/romântica. Meu pai era músico e para ele a música era como um mundo sagrado. Eu não acreditava muito nisso quando era jovem. E foi muito interessante descobrir que havia um mundo moderno da música – que começava, de fato, em 1909. Desde então, a música tem sido para mim uma espécie de vasto campo aberto, que tentei descobrir por mim mesmo.

Como você transmite isso para o público?

Escrevi um livro, fiz centenas de introduções antes dos concertos começarem, às vezes falo abertamente no palco, também faço concertos informais em Berlim, nos quais explico a música para as pessoas. No final das contas, não acho tão difícil explicar a música.

Você só tem que encontrar as palavras certas para descrever o que está realmente acontecendo. Tem que encontrar uma menira de traduzi-lo. Isso é algo que me interessa muito – tentar traduzir a minha compreensão da música para uma linguagem com palavras. Não é fácil, pois, quando você escuta a música, deveria esquecer as palavras de novo e tentar entender a linguagem sem palavras.

Como você mesmo mencionou, já viveu em diversos países. Onde se sente em casa?

Comecei a me sentir em casa em Berlim. Sempre achei que iria, mas levou mais tempo do que imaginava. Minha mente me disse que Berlim era o lugar onde eu sempre quis estar. Desde jovem, queria que houvesse uma capital alemã, o que não existia na época.

Quando estava em Londres ou Paris, pensava que era uma pena a Alemanha não ter algo assim: uma cidade realmente grande onde tudo se encontra. Depois da reunificação, acho que Berlim começou a se tornar uma capital internacional. Então fiquei muito empolgado para vir para cá. Embora aqui também não seja fácil. Leva tempo para se acostumar.

O que não é fácil em Berlim?

É duro, especialmente no campo da música. Temos sete orquestras nesta cidade, três óperas e a Filarmônica de Berlim, que é uma grande instituição não só na Alemanha, mas no mundo. É duro encontrar nosso público, criar um perfil próprio, convencer os políticos de que deveriam nos dar o dinheiro de que precisamos.

Como a DSO tenta criar um perfil próprio?

Somos a única orquestra da cidade que possui um tema. Temos o espírito alemão. Temos 1909. Temos um conteúdo programático, reafirmando que a música tem algo mais a dizer que apenas ser bonita. Acredito intensamente no conteúdo da música, embora ela não tenha palavras. E é isso que quero mostrar.

Clique abaixo para escutar as discussões de Ingo Metzmacher na série Quem tem medo da música do século 20? , que ele organizou entre 1999 e 2004 em Hamburgo e que o tornou tão famoso.

Leia mais