Infrações de trânsito trazem milhões aos cofres de Berlim | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 19.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Checkpoint Berlim

Infrações de trânsito trazem milhões aos cofres de Berlim

Governo divulga dados sobre multas aplicadas na cidade em 2017. Infrações se igualam a número de habitantes. Estacionamento em local proibido é o campeão entre as irregularidades.

Carros em Berlim

Berlim possui apenas 18 radares fixos

Excesso de velocidade, estacionar em local proibido e passar no sinal fechado estão entre as infrações de trânsito mais comuns em qualquer lugar do mundo. Quem não respeita as regras, além de colocar vidas em risco, acaba contribuindo para os cofres públicos – e é assim também em Berlim.

Recentemente, o governo local divulgou dados sobre multas de trânsito na capital da Alemanha. Nunca imaginei que o número de infrações de veículos automotivos pudesse se igualar ao número de habitantes (em Berlim são cerca de 3,7 milhões), afinal nem todo mundo possui algum tipo de veículo motorizado. E mesmo se todos tivessem, teriam que cometer pelo menos uma irregularidade no ano para se chegar a essa cifra.

Leia também: Tênis como passagem de metrô em Berlim

Mas foi justamente isso que aconteceu. Em 2017, 3,7 milhões de infrações foram cometidas em Berlim. Elas renderam mais de 75 milhões de euros aos cofres da cidade. Para se ter uma ideia melhor do que esse números significam: a cidade tem pouco mais de 1,4 milhão de automóveis registrados, segundo os dados mais recentes, que são de 2015. 

Clarissa Neher

A jornalista Clarissa Neher vive em Berlim desde 2008

O grande campeão no ranking das ilegalidades automotivas foi estacionamento em local proibido, mas dados exatos sobre a quantidade de multas aplicadas não foram divulgados. Mas como base numa ação da polícia de cinco dias de tolerância zero contra essa infração em algumas ruas da cidade que ocorreu em outubro, dá para imaginar a dimensão dessa ilegalidade.

Em apenas cinco dias foram multados mais de 6,1 mil motoristas. Grande parte deles estava usando as ciclovias como estacionamento, algo que dificulta bastante a movimentação de quem roda de bicicleta pela cidade é obrigado a desviar de obstáculos constantemente e muitas vezes em manobras que colocam sua vida em risco. Em 2017, também foram guinchados 50 mil carros estacionados em local proibido, a maioria na faixa exclusiva para ônibus.

Já os radares, tão odiados no Brasil, registraram em apenas um ano cerca de 230 mil infrações por excesso de velocidade e 50 mil por passar no sinal fechado. Isso que a capital alemã tem apenas 18 radares fixos de velocidade e em sinais.

Em uma rodovia que corta a cidade, a cada cinco minutos um carro era pego pelo radar por excesso de velocidade. Com custo de manutenção de cerca de 129 mil euros por ano, os objetos são realmente lucrativos. Os radares berlinenses arrecadaram mais de 8 milhões de euros em multas.

Ao apresentar os números, o governo local também anunciou que pretende instalar em breve dez novos radares. E os números compravam a necessidade de ampliar esse controle. Apesar das leis de trânsito, 3,7 milhões de infrações, sendo cerca de 280 mil por excesso de velocidade ou furar o sinal fechado, mostram que muitos ainda precisam aprender a respeitar a legislação de trânsito.

Clarissa Neher é jornalista freelancer na DW Brasil e mora desde 2008 na capital alemã. Na coluna Checkpoint Berlim, publicada às segundas-feiras, escreve sobre a cidade que já não é mais tão pobre, mas continua sexy.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais