Indonésia localiza destroços de submarino naufragado | Notícias internacionais e análises | DW | 25.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Indonésia localiza destroços de submarino naufragado

Sem sobreviventes, embarcação está partida em três no leito marinho, a 838 metros de profundidade. Autoridades indicam que falha elétrica pode ter impedido manobra para voltar à superfície.

Imagens dos destroços do submarino

Imagens dos destroços foram divulgadas pelas autoridades da Indonésia

Equipes de resgate localizaram neste domingo (25/04), no leito marinho, o submarino indonésio KRI Nanggala 402, que havia desaparecido na semana passada com 53 pessoas a bordo.

A embarcação está partida em três partes, a 838 metros de profundidade, e todos os seus tripulantes são considerados mortos, segundo as autoridades da Indonésia.

O submarino havia sido projetado para navegar em profundidades de até 200 metros, e abaixo desse ponto sua estrutura poderia colapsar devido à pressão da água.

Imagens feitas por um drone mostraram os destroços no fundo do mar. Eles foram localizados por uma equipe de Cingapura, depois que um navio indonésio equipado com sonares e magnetômetro já havia identificado um objeto que parecia ser o submarino.

Os destroços estão a cerca de 1,5 mil metros ao sul do ponto em que o submarino fez o seu último mergulho.

Antes do anúncio, o presidente da Indonésia, Joko Widodo, ofereceu suas condolências aos familiares das vítimas do acidente.

"Todos nós indonésios expressamos nosso profundo pesar por essa tragédia, especialmente para os familiares dos tripulantes do submarino", disse. Widodo afirmou que as equipes de resgate estavam fazendo o possível para resgatar a embarcação e os corpos dos tripulantes.

Sumiço do submarino

A embarcação participava de exercícios com disparos de torpedos a 95 quilômetros de Bali e perdeu contato logo depois de pedir permissão para submergir na manhã de quarta-feira.

Caso houvesse falha elétrica, o seu estoque de oxigênio era suficiente para aproximadamente 72 horas, ou até a manhã de sábado.

No sábado, as equipes de resgate encontraram vários itens do KRI Nanggala 402, incluindo material ligado a torpedos, uma garrafa de graxa usada para o periscópio e tapetes de oração, e a Marinha da Indonésia declarou o submarino como oficialmente naufragado.

O motivo do acidente ainda será investigado, mas a Marinha da Indonésia disse que uma falha elétrica pode ter impedido o submarino de realizar manobras de emergência para voltar à superfície.

Mais de 400 pessoas, além de navios e helicópteros de diversos países, incluindo Austrália, Estados Unidos, Cingapura, Malásia e Índia, participaram dos esforços de busca.

Soberania marítima

O submarino havia sido construído na Alemanha em 1978 pela empresa Howaldtswerke-Deutsche, em Kiel. Pesando 1,3 mil toneladas, ele já havia servido em mais de uma dezena de forças navais de países como Grécia, Índia, Argentina e Turquia.

A Indonésia é o país com o maior número de ilhas do mundo, com mais de 17 mil delas, e tem enfrentado desafios na área marítima que considera sob sua soberania, incluindo diversos incidentes envolvendo navios chineses próximo das ilhas Natuna.

Apesar de não haver registro de acidentes graves com submarinos no Sudeste Asiático, outros países já viveram situações semelhantes. Um dos caso mais conhecidos é o do submarino russo Kursk, que afundou em 2000 e matou os 118 tripulantes a bordo. Uma investigação concluiu que um torpedo explodiu e detonou todos os outros. A maioria dos marinheiros morreu instantaneamente, mas alguns ainda sobreviveram por vários dias antes de sufocarem.

Em 2018, o submarino argentino ARA San Juan desapareceu com 44 pessoas a bordo. Depois um ano de buscas realizadas com a ajuda de especialistas internacionais, a embarcação foi encontrada a mais de 900 metros de profundidade em uma área de cânions e crateras a 400 quilômetros da costa da Argentina. O motivo do acidente foi uma implosão.

bl (AFP, AP, Reuters, dpa)