Indústria automobilística tenta recomeço no Salão de Detroit | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 11.01.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Indústria automobilística tenta recomeço no Salão de Detroit

Feira tradicional traz modelos menores e ecológicos. Indústria espera que 2010 seja ano de recuperação.

default

Dúvidas sobre o futuro cercam o Salão de Detroit

A indústria automobilística quer esquecer o ano de 2009: sobre o setor, notícias de desemprego, falências e baixa nas vendas dominaram as manchetes mundo afora. Mas o Salão do Automóvel de Detroit, aberto nesta segunda-feira (11/01) nos Estados Unidos, tem clima de recomeço: a tradicional feira que prossegue até o dia 24 de janeiro exibe 700 carros, dentre os quais 50 modelos são novidade no mercado.

O clube das três

General Motors, Ford e Chrysler, as maiores montadoras norte-americanas, tentam recuperar a hegemonia em seu país de origem. As três empresas sofreram graves solavancos com a crise no ano passado: GM e Chrysler, por exemplo, precisaram da ajuda bilionária do governo para sobreviverem.

As empresas tradicionais apresentam modelos mais compactos e esperam que 2010 seja o ano da recuperação.

Flash-Galerie Detroit Auto Show

Ford Fusion Híbrido é o carro norte-americano de 2010

Caminho sustentável

Os veículos "verdes" continuam em alta no Salão de Detroit, com destaque para os modelos híbridos e elétricos. E a ação continua longe da Feira: a General Motors, por exemplo, acelerou a produção de baterias para suprir seu próprio carro elétrico, o Chevy Volt.

O prêmio de carro do ano também foi para um modelo ecologicamente correto: Ford Fusion Híbrido. A montadora norte-americana segue a tendência de produção de carros menores, movidos a eletricidade ou com fontes híbridas.

Participação alemã

A Volkswagen, a maior do setor na Europa, pretende aumentar sua participação no difícil mercado norte-americano: até 2013 a empresa quer duplicar as vendas no país. Para isso, pretende aumentar sua rede de revendedores. No ano passado, foram vendidos 213 mil veículos da marca nos EUA.

A montadora alemã, que atualmente tem participação de 2% no mercado nos Estados Unidos, tem planos de produzir um modelo específico para o mercado norte-americano. São as esperanças depositadas na nova fábrica instalada no estado do Tennessee. A meta é vender nos EUA 800 mil veículos em 2018.

NP/dpa/afp

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais