Igreja católica quer vender editora que publica, entre outras, obras eróticas | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 23.11.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Igreja católica quer vender editora que publica, entre outras, obras eróticas

Criticada por permitir que editora de sua propriedade venda publicações eróticas e esotéricas, Igreja Católica na Alemanha agora quer se desfazer do negócio. Faturamento anual chega a 1,6 bilhão de euros.

Católicos buscam compradores para a editora

Católicos buscam compradores para a editora

A editora alemã Weltbild divulgou nesta terça-feira (22/11) que seus sócios pediram à direção da empresa para encontrar "o mais rapidamente possível" um comprador para a editora. Os sócios responsáveis pela Weltbild são 12 dioceses católicas, a assistência espiritual aos militares, de Berlim, e a associação das dioceses alemãs.

Com a venda, os religiosos pretendem encerrar um assunto que permaneceu intocado por muito tempo. Só há três anos é que ele passou a ser discutido publicamente: estaria de acordo com os valores e as metas da Igreja católica o fato de a Weltbild publicar, entre outros livros, alguns de conteúdo erótico e esotérico? Católicos mais conservadores acreditam que não, já outros pensam no faturamento anual de mais de 1,6 bilhão de euros alcançado pela editora. A Weltbild defende-se das acusações de pornografia, rejeita a ideia de censura e fala sobre "cidadãos responsáveis".

Plano de venda é antigo

Em 2009, a empresa quase foi vendida. Naquele ano, o grupo Thalia, entre outros, havia demonstrado interesse na Welbild, mas não se chegou a um consenso sobre o preço. Chegou-se a dizer que a soma esperada era de mais de um bilhão de euros – o que em meio à então recém-desencadeada crise econômica ninguém iria querer pagar. A Weltbild continuou, então, nas mãos da Igreja católica.

Em outubro de 2011, a revista especializada Buchreport reiniciou a discussão sobre as ofertas literárias eróticas da Weltbild. Sob o termo de busca "erótico", teria sido possível encontrar mais de 2.500 referências no site weltbild.com – atualmente não se encontra mais nenhum. O grupo Weltbild detém 50% do grupo de editoras Droemer Knaur e tem ainda 33,3% de participação na buecher.de. Nesta, ainda se encontra material erótico, mas que está longe de ser pornográfico.

Screenshot Weltbild.de

Ao buscar o termo 'erótico' era possível encontrar mais de 2.500 referências no site weltbild.com

O diretor Carel Halff não se cansa de explicar que a venda de livros eróticos representa menos de 0,017% do faturamento ao longo de 2011. Ainda assim, ele não conseguiu evitar as novas discussões sobre a venda da editora. O próprio papa Bento 16 disse no começo de novembro aos bispos alemães que é tempo de "limitar energicamente a disseminação de material de conteúdo erótico ou pornográfico, inclusive pela internet".

O conselho permanente da Conferência Alemã dos Bispos reagiu e priorizou na segunda-feira (21/11) a venda da editora.

Funcionários temem cortes

Um dos que poderiam comemorar a venda da Weltbild é o cardeal Joachim Meisner. O arcebispo da cidade de Colônia exige há anos uma estrita separação entre a Igreja e a editora Weltbild. Em 2008, a Diocese de Colônia repassou sua cota da editora para a Congregação Alemã das Dioceses. "Não dá para ganharmos dinheiro durante a semana exatamente com o que criticamos na pregação de domingo. Isso é escandaloso", afirmou Meisner no jornal Welt am Sonntag.

O arcebispo de Munique, o cardeal Reinhard Marx, também concorda, mesmo tendo as arquidioceses de Munique e Freising a segunda maior participação na Weltbild. "Podemos ter grandes conglomerados de mídia, mas se eles não tiverem como meta pregar o Evangelho, segue-se na direção errada".

Desde que o papa Bento 16 em setembro passado convocou a Igreja a um maior "distanciamento de coisas materiais", o assunto evoca ainda outro ponto. Questiona-se se seria conveniente à Igreja ser proprietária de uma empresa que visa o lucro, com mais de 6 mil funcionários e um faturamento bilionário.

Com a venda, os funcionários da Weltbild em Augsburg temem que suas condições de trabalho irão piorar. A editora tem grande influência no mercado. Segundo a própria empresa, ela é uma das maiores do ramo do comércio de livros, mídia e internet na Europa. A Weltbild tem filiais no mercado livreiro, dispõe de uma loja online e também faz vendas por reembolso postal. Além de livros e revistas, o grupo também oferece CDs, DVDs, presentes, artigos eletrônicos e para a casa.

Sede da Weltbild em Augsburg

Sede da Weltbild em Augsburg

Uma nova editora

A história da Weltbild é longa. Em 1948, ela foi fundada com o nome Winfried-Werk GmbH e produzia, inicialmente, a revista católica Mann in der Zeit (Homem no tempo), que 20 anos depois teve o nome alterado para Weltbild.

Em 1972, a empresa começou com o negócio de envio de livros e nos anos 1980 expandiu para outros países. Em 1997, começaram as vendas pela internet. Em 2006, concretizou-se a fusão do grupo com a família Hugendubel e, três anos mais tarde, centenas de postos de trabalho foram fechados.

Sob um novo comando, seja quem for o novo proprietário, a empresa poderá seguir em diversas direções: de um completo ou apenas parcial desmantelamento até uma expansão da presença na internet e a eliminação de filiais que precisam de modernização. Mas pelo menos uma questão será resolvida com a venda: a Weltbild poderá, sem problema, vender realmente publicações eróticas.

Autora: Marlis Schaum (msb)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais