IBGE constata leve recuo da desigualdade no Brasil | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 13.11.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

IBGE constata leve recuo da desigualdade no Brasil

Em 2014, os 10% mais pobres viram sua renda média mensal subir 4,1%, para 256 reais, enquanto os 10% mais ricos tiveram uma queda de 0,4%, para 7.154 reais. Homens continuam ganhando bem mais do que as mulheres.

O número de pessoas desempregadas no Brasil cresceu 9,3% em 2014, em comparação com o ano anterior. A desigualdade, por outro lado, sofreu queda. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada nesta sexta-feira (13/11) pelo IBGE.

De acordo com o estudo – um dos mais completos sobre os lares brasileiros –, o Brasil conseguiu ainda reduzir a taxa de analfabetismo e aumentar os anos de estudo da população, a renda dos trabalhadores, o número de pessoas com moradia e o acesso à internet, que já é realidade para mais da metade dos residentes no país.

Por outro lado, a pesquisa concluiu que, no ano passado, o trabalho infantil aumentou, a diferença entre o salário de homens e mulheres continuou elevada e a percentagem de residências com acesso a saneamento básico não mostrou melhora.

Desemprego versus desigualdade

Num ano em que a economia cresceu apenas 0,1%, cerca de 617 mil pessoas passaram à condição de desocupados, representando um aumento de 9,3% em comparação com 2013. No total, 7,3 milhões de brasileiros com mais de 15 anos estavam à procura de trabalho no ano passado. De acordo com o IBGE, todas as regiões apresentaram aumento da população desocupada.

Entre os jovens e adultos em busca de emprego em 2014, 60,3% eram pretos ou pardos, 56,7% eram mulheres, 28,3% nunca trabalharam, 34,3% tinham entre 18 e 24 anos e 50,1% não concluíram o ensino médio.

Mesmo com o crescimento da população desocupada, o número de brasileiros ocupados também aumentou, de 61,2% para 61,9%, totalizando 98,6 milhões de pessoas. Segundo o IBGE, isso se deve ao aumento da participação de idosos – o índice de residentes ocupados com mais de 60 anos cresceu de 7,5% para 8,2%.

A desigualdade no Brasil recuou. O chamado índice de Gini, utilizado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para medir a desigualdade de renda, manteve sua trajetória de queda e foi de 0,495 em 2013 para 0,490 em 2014 (quanto menor, menos desigual é o país).

A diminuição da desigualdade – que vem ocorrendo no Brasil desde 2004 – foi possível graças ao aumento de 4,1% na média de rendimento mensal das pessoas que estão entre os 10% mais pobres, ficando em 256 reais. Já a média de rendimento dos 10% mais ricos caiu 0,4% no período, ficando em 7.154 reais.

A Pnad constatou ainda diferenças salariais por gênero. Em 2014, as mulheres recebiam, em média, 74,5% do rendimento dos homens. No ano anterior, a proporção atingia 73,5%. O rendimento médio mensal, descontada a inflação, alcançou 1.987 reais entre os homens, enquanto o das mulheres foi de 1.480 reais.

Educação

As mulheres, por outro lado, estudam mais – e isso foi visto em todas as regiões brasileiras. Em média, elas tinham 8 anos de estudo, enquanto os homens tinham 7,5. A média de estudo da população em geral cresceu em 2014, chegando a 7,7 anos, contra 7,6 em 2013.

Já a taxa de analfabetismo entre pessoas com mais de 15 anos de idade recuou de 8,5% para 8,3% entre 2014 e o ano anterior. Ainda assim, o Brasil conta com 13,2 milhões de residentes que não sabem ler nem escrever.

Trabalho infantil

Um dos indicadores que pioraram foi a exploração de mão de obra infantil. Segundo a Pnad, 3,3 milhões de crianças e adolescentes na faixa de 5 a 17 anos estavam trabalhando em 2014, o que representa um aumento de 4,5% ante 2013. Dois terços desse total são meninos.

Na faixa dos 5 a 13 anos, idade em que é proibido, por lei, trabalhar, foi registrada a maior expansão: a população ocupada passou de 506 mil para 554 mil, subindo 9,3%. Foi a primeira vez que o número cresceu desde 2005, quando atingiu 1,6 milhões de crianças.

Tecnologia

A pesquisa do IBGE mostrou que, pela primeira vez, o percentual de pessoas com acesso à internet passou da metade: em 2014, 95,4 milhões de brasileiros com mais de 10 anos de idade estavam conectados, o que representa 54,4% da população.

Além disso, 136,6 milhões de pessoas acima de 10 anos tinham celular para uso pessoal, um aumento de 4,9% em relação ao ano anterior. A proporção desse grupo entre a população era de 75,2%, em 2013, passando para 77,9% do total, no ano seguinte.

Os brasileiros

A população brasileira foi estimada em 203,2 milhões de pessoas, um aumento de 0,9% em comparação com o ano anterior. A porcentagem de idosos com mais de 60 anos também cresceu: de 13% em 2013, o índice foi para 13,7% da população em 2014.

Quanto à cor, 45,5% da população se declarou branca, 45,0% se declararam pardos; 8,6%, pretos e 0,9%, indígenas ou amarelos.

EK/abr/efe/lusa/rtr

Leia mais