Hungria e Polônia querem acelerar adoção do euro por causa da crise | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 24.02.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Hungria e Polônia querem acelerar adoção do euro por causa da crise

Crise econômica cria dificuldades para países do Leste Europeu, apesar dos diversos mecanismos de auxílio existentes na União Europeia.

default

Ferenc Gyurcsány quer adotar o euro o mais rápido possível

Depois da Polônia, foi a vez de a Hungria anunciar nesta terça-feira (24/02) seu desejo de ingressar o mais rápido possível na zona do euro. "Seria uma possível reação aos desafios da crise financeira", afirmou em Bruxelas o primeiro-ministro húngaro, Ferenc Gyurcsány, após encontro com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso.

Gyurcsány disse que seu governo quer cumprir todos os requisitos necessários para adotar a moeda comum europeia, mas que o processo deveria ser acelerado. Ele questionou a necessidade de a moeda húngara ter de passar por uma fase de testes de dois anos para comprovar sua estabilidade.

Esse período é, ao lado de diretrizes sobre endividamento público e inflação, um dos pré-requisitos para a adoção do euro. Durante dois anos, a moeda local pode flutuar apenas 15% para mais ou para menos em relação ao euro, o que seria uma prova de estabilidade na economia do país-candidato.

Zloty e florim em queda

Gyurcsány argumentou que é também do interesse da União Europeia (UE) apoiar os países-membros no caminho para a adoção do euro. Segundo ele, a crise mostrou que a moeda comum é a melhor proteção contra problemas cambiais. "Enfrentamos dificuldades muito sérias", afirmou.

No final do ano passado, a Hungria necessitou de uma ajuda externa de 20 bilhões de euros do FMI, do Banco Mundial e da União Europeia para estabilizar a economia. Desde o início de 2009, o florim húngaro e o zloty polonês já se desvalorizaram mais de 10% em relação ao euro. No caso do zloty, a queda em relação ao valor de meados de 2008 chega a 30%.

Na terça-feira, o ministro das Finanças da Polônia, Ludwik Kotecki, comunicara que pretende começar oficialmente em março as negociações para ingresso na zona do euro. O objetivo do país é iniciar em maio ou junho o processo de conversão que antecede a adoção da moeda comum. A Polônia almeja fazer parte da zona do euro até 2012.

Ajuda ao Leste Europeu

Na semana passada, o comissário europeu de Assuntos Econômicos e Monetários, Joaquín Almunia, disse que a União Europeia está apoiando os países do Leste Europeu que se encontram em dificuldades devido à crise econômica mundial. "Tentamos ajudar quem precisa de ajuda", disse Almunia.

Países que não adotaram o euro podem dispor de recursos da chamada ajuda ao balanço de pagamentos para equilibrar suas contas. A Comissão Europeia elevou recentemente a verba dessa linha de auxílio de 12 bilhões para 25 bilhões de euros. "Mais de 9 bilhões foram repassados à Hungria e à Letônia", assegurou Almunia.

Os países-membros podem ainda dispor de recursos dos fundos estruturais e de coesão, pelos quais estão disponíveis mais de 300 bilhões de euros para o período entre 2007 e 2013. Com esse dinheiro, a União Europeia fomenta países e regiões menos desenvolvidos do ponto de vista econômico.

Auxílio por meio de bancos

A União Europeia também ajuda os países-membros por meio do Banco Europeu de Investimentos (BEI) e do Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento (BERD). O primeiro pertence aos países-membros, possui uma excelente reputação no mercado de capitais e tem, com isso, fácil acesso a dinheiro barato.

As baixas taxas de juros são repassadas a empresas e projetos apoiados pela UE, como, por exemplo, aqueles que melhoram a proteção ambiental ou aceleram o desenvolvimento econômico de regiões mais atrasadas.

O BERD trabalha de maneira semelhante, apoiando países do centro e do leste da Europa no caminho para a economia de mercado. Ele é voltado prioritariamente para empresas, mas também auxilia bancos.

Leia mais