Homens amarram refugiado em árvore na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 02.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Homens amarram refugiado em árvore na Alemanha

Ao reclamar de cartão de crédito de celular que comprou em supermercado, iraquiano é atacado por grupo de "vigilantes". Acionada, polícia libera agressores sem identificá-los. Vídeo ganha grande repercussão.

default

Vídeo de agressão foi postado em redes sociais

No mais recente caso de violência contra refugiados no estado alemão da Saxônia, quatro homens invadiram um supermercado e retiraram à força um iraquiano do local. A polícia encontrou o jovem amarrado em uma árvore do lado de fora do estabelecimento. O incidente ocorreu na cidade de Arnsdorf, próximo a Dresden.

A violência foi registrada em um vídeo divulgado nas redes sociais na terça-feira (31/05). Mas, segundo autoridades, o episódio aconteceu no dia 21 de maio. De acordo com a polícia, o refugiado comprou crédito para celular no local no dia anterior à agressão e retornou duas vezes à loja no dia seguinte porque estaria tendo problemas para ativá-lo. Nas duas ocasiões, a polícia foi chamada e o levou de volta ao hospital psiquiátrico de Arnsdorf, onde ele é paciente.

O vídeo que circula na internet mostra o que ocorreu na terceira vez em que o iraquiano voltou ao supermercado. Antes de ser retirado à força, o requerente de asilo é visto segurando uma garrafa de vinho e conversando com uma funcionária.

Pelas imagens, é possível perceber que o iraquiano e a funcionária do supermercado têm dificuldades de se entender devido ao idioma. Ela pede ao rapaz que devolva a garrafa, ele não reage e continua falando. Uma pessoa sugere que a polícia seja novamente chamada.

Mas em vez de policiais, aparecem quatro homens. Eles agridem o refugiado e gritam: "O que você quer aqui? Seu porco". Depois, ele é arrastado para fora da loja. Antes do fim do vídeo, uma mulher diz que é uma vergonha ter que depender do "grupo de vigilância da vizinhança".

Do lado de fora, os tais "vigilantes" amarraram o refugiado em uma árvore com cabos, segundo o boletim da polícia. Há apenas imagens do que ocorreu dentro da loja. "Segundo os responsáveis pelo incidente, eles estariam mantendo o homem lá para afastá-lo de uma situação perigosa e queriam evitar que ele deixasse o local. Os policiais pediram para o grupo ir embora", diz o relatório da ocorrência.

Polícia libera agressores

Ao liberar os agressores, os policiais envolvidos na ação não verificaram as identidades dos homens por causa da "situação delicada", afirmou um porta-voz da polícia ao tabloide Bild. As autoridades agora procuram testemunhas para identificar os quatro envolvidos no incidente, que são suspeitos de retenção ilegal. O iraquiano também está sendo investigado por ter, supostamente, ameaçado a funcionária do mercado.

O vídeo gerou uma grande repercussão nas redes socais. Várias pessoas agradeceram aos homens que bateram no refugiado e defenderam esse tipo de iniciativa de vigilância realizada por moradores. No Facebook, as imagens estão sendo compartilhadas em grupos de extrema direita e atraíram diversos comentários xenófobos e antirrefugiados.

Usuários compartilharam também o vídeo na página do supermercado no Facebook e pediram a demissão de funcionários que acionaram o tal "grupo de vigilância da vizinhança", em vez de chamarem a polícia. A rede de supermercados reagiu logo em seguida.

"Estamos levando esse incidente muito a sério. Depois de conversar com nossos funcionários, ficou esclarecido que os homens não foram chamados por funcionários do Netto. A abordagem vista nesse vídeo vai contra as regras da nossa empresa e não é tolerada pelo Netto", respondeu a rede.

Agressor seria membro da CDU

Nesta quinta-feira, o hashtag #Arnsdorf ficou entre os mais postados no Twitter da Alemanha. O partido A Esquerda, da oposição ao governo da Saxônia, condenou o ato e afirmou que esse tipo de agressão se chama bullying, e não vigilância de cidadãos.

Segundo a imprensa local, um dos homens que atacou o iraquiano seria Detlef Oelsner, vereador de Arnsdorf pela União Democrata Cristã (CDU), mesmo partido da chanceler federal Angela Merkel. "Mostramos coragem moral e teria feito isso com qualquer pessoa, até mesmo um alemão", disse Oelsner ao jornal regional Sächsische Zeitung.

A deputada do Partido Verde pela Saxônia Monika Lazar questionou o silêncio de membros da CDU, que não condenaram o episódio.

Leia mais