Holanda espera ascensão de partido eurocético | Notícias internacionais e análises | DW | 23.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

União Europeia

Holanda espera ascensão de partido eurocético

Com discurso nacionalista de colocar a "Holanda em primeiro lugar", Thierry Baudet vive crescimento meteórico e promove disputa acirrada com o partido do primeiro-ministro Mark Rutte nas eleições europeias.

Baudet se intitulou o mais importante intelectual da Holanda e defende o protecionismo em temas culturais e econômicos

Baudet se intitulou "o mais importante intelectual da Holanda" e defende o protecionismo em temas culturais e econômicos

O holandês Thierry Baudet, um político populista e nacionalista de 36 anos, alcançou uma ascensão meteórica e, segundo as pesquisas, deve obter enormes ganhos nas eleições europeias na Holanda. Assim como no Reino Unido, a votação holandesa para o Parlamento Europeu é realizada nesta quinta-feira (23/05) – as eleições nos 28 Estados-membros da União Europeia (EU) estão espalhadas até o domingo.

O partido de Thierry Baudet, o Fórum para a Democracia (FvD), criado por ele em 2015 como uma think tank e que obteve apenas 2% dos votos nas eleições legislativas nacionais de 2017, soma 15% nas pesquisas de opinião. Ele está em uma disputa cabeça a cabeça com Partido Popular para a Liberdade e Democracia (VVD), do primeiro-ministro do país, Mark Rutte.

Baudet, que se intitulou "o mais importante intelectual da Holanda" em uma postagem no Twitter em 2016, tem enfatizado o discurso de "Holanda em primeiro lugar" em temas culturais e econômicos.

Em março, o Fórum para a Democracia ficou em primeiro lugar nas eleições provinciais, justamente à frente do partido do premiê.

Baudet conseguiu apoio em grande parte proveniente do Partido para a Liberdade (PVV), de seu rival de direita Geert Wilders, também eurocético, mas mais conhecido por sua campanha contra o islã. Nas pesquisas, Wilders aparece com apenas 5%, o que seria seu resultado mais baixo na década.

Em toda a Europa, estima-se que os partidos de extrema direita voltem a aumentar sua participação no Parlamento Europeu. Espera-se que dobrem o número de assentos conquistados em 2014, mas que não passem da marca de 20% na votação realizada entre esta quinta-feira e domingo.

Caso as pesquisas holandesas se mostrem precisas, o Fórum para a Democracia de Baudet poderá disparar de zero para cinco assentos das atuais 26 vagas holandesas no Parlamento Europeu.

O órgão legislativo da UE possui 751 assentos, sendo 73 reservados ao Reino Unido. Quando a saída britânica do bloco for concretizada, a redistribuição das cadeiras dará três assentos adicionais à Holanda.

"Estas eleições dependem da questão sobre se o maior partido holandês é ou não é aquele que quer o Nexit [saída da Holanda da UE]", disse Rutte, antes da votação, referindo-se à possibilidade de a Holanda seguir os passos do Reino Unido.

"Seria ruim para nossa segurança e estabilidade se tal partido se tornasse o maior [partido holandês] no Parlamento Europeu", acrescentou.

Em um debate televisivo, Rutte e Baudet trocaram farpas – o nacionalista acusou o primeiro-ministro de ser um "seguidor" e não um líder. Rutte respondeu que Baudet era um ingênuo "adepto da Rússia", pois o eurocético afirmou não acreditar que Moscou apresente qualquer ameaça geopolítica ao Ocidente.

Baudet comparou o ainda presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, a Adolf Hitler e Napoleão Bonaparte em sua aversão à Rússia.

"Os sedentos por poder da Europa legitimam a centralização do poder em Bruxelas por causa de algum grande inimigo [a Rússia] e eu não vejo isso", afirmou Baudet.

PV/rtr/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais