Histórico das eleições presidenciais no Brasil | Eleições 2018 | DW | 24.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2018

Histórico das eleições presidenciais no Brasil

Em 1989, após 29 anos sem eleições democráticas, os brasileiros voltaram a escolher seu presidente por voto direto.

Assistir ao vídeo 02:23

Em 1989, após 29 anos sem eleições democráticas, os brasileiros voltaram a escolher seu presidente por voto direto: 22 candidatos se apresentaram - o número nunca foi igualado. A eleição também foi avulsa, apenas para presidente. A escolha de novos governadores, deputados e senadores ficou para o ano seguinte. Após um segundo turno acirrado, Fernando Collor foi eleito. Com 40 anos, Collor foi o presidente mais jovem da história do Brasil. 

Em 1994, o pleito presidencial passou a coincidir com as eleições legislativas. Os partidos passaram a valorizar alianças e o número de candidatos caiu. Fernando Henrique Cardoso foi eleito no 1° turno. A partir daí, as eleições presidenciais passaram a ser marcadas pela polarização entre PT e PSDB.

Assistir ao vídeo 01:54

Mitos eleitorais

Durante o governo FHC foi aprovada a emenda da reeleição: ela permitiu que presidente, governadores e prefeitos concorressem a mais um mandato consecutivo. Em 98, FHC foi reeleito. Os anos 90 também marcam o início da fragmentação do Congresso. Em 94, 19 partidos elegeram deputados federais. Em 2015, a Câmara já tinha representantes de 28 partidos. 

Assistir ao vídeo 02:13

Entenda como funciona o processo eleitoral brasileiro

Neste período, o processo eleitoral se modernizou. Nas eleições municipais de 2000, o voto eletrônico foi usado em todo o território nacional. Em 2002, Lula foi eleito presidente após três derrotas eleitorais. A vitória dele marcaria o início de 13 anos de hegemonia do PT na Presidência. Em 2006, Lula foi reeleito. Quatro anos depois, Dilma Rousseff, apadrinhada de Lula, se tornou a primeira mulher eleita presidente. Em 2014, Dilma foi reeleita em uma disputa acirrada com o tucano Aécio Neves.  

O pleito de 2014 também foi o mais caro da história. Candidatos à Presidência, governos e ao Congresso gastaram cinco bilhões de reais. Em 2018, 13 candidatos vão disputar a Presidência e desta vez as doações por empresas estão proibidas. 

Áudios e vídeos relacionados