Hillary afirma que retórica de Trump beneficia terroristas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 19.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Hillary afirma que retórica de Trump beneficia terroristas

Após ataques em Nova York e Nova Jersey, candidata democrata destaca a própria experiência no combate ao terrorismo e afirma que, com discurso anti-islâmico, rival republicano ajuda extremistas.

Após ataques a bomba em Nova York e Nova Jersey, a candidata democrata à presidência dos EUA, Hillary Clinton, afirmou nesta segunda-feira (19/09) ser a mais qualificada para combater o terrorismo no país.

"Sou a única candidata na corrida que esteve envolvida em decisões difíceis para retirar terroristas do campo de batalha. Eu sei como fazer isso", destacou Hillary, em uma coletiva de imprensa.

A democrata afirmou que a ameaça ao país é real, ressaltando sua determinação em combatê-la. A candidata acusou ainda seu adversário republicano, Donald Trump, de ajudar extremistas a angariar militantes com seu discurso anti-islâmico.

Em resposta à insistência de Trump em afirmar que há uma ligação entre terrorismo e migração e à promessa do magnata de fechar as fronteiras do país, Hillary pediu que os eleitores não se distraíssem com a retórica do adversário.

"Estamos indo atrás dos vilões e vamos pegá-los, mas não vamos perseguir uma religião inteira", ressaltou a democrata.

"Acima de tudo, quero dizer aos americanos que sejamos vigilantes, não tenhamos medo. Enfrentamos ameaças no passado. Sei que enfrentaremos este novo perigo com a mesma coragem e a mesma prudência. Escolhemos a determinação, não o medo", declarou Hillary e insistiu na necessidade de um trabalho em conjunto com aliados na luta contra o terrorismo.

Um dos pontos-chave da campanha de Hillary é sua experiência em política externa. A candidata foi secretária de Estado durante o governo de Obama entre 2009 e 2013. Na corrida eleitoral, ela cita com frequência seu papel na captura e morte de Osama Bin Laden, em 2011.

CN/lusa/ap

Leia mais