″Haiti precisa de um Plano Marshall″, apela embaixador do país na Alemanha | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 14.01.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Haiti precisa de um Plano Marshall", apela embaixador do país na Alemanha

Um dos países mais pobres do mundo, Haiti encontrava-se "no bom caminho", antes do violento terremoto, cujas consequências são incalculáveis. Empenho internacional é grande, porém coordenação da ajuda é ponto crucial.

default

Populares resgatam com as próprias mãos sobreviventes e mortos

Antes mesmo do abalo sísmico da última terça-feira (12/01), o mais grave em 100 anos, a situação do Haiti era calamitosa. Mais da metade de seus cerca de 9 milhões de habitantes dispõe de menos de um dólar por dia para sobreviver. Ao lado da penúria econômica, a instabilidade política e a insegurança social assolam a população do Estado insular.

Estes e outros fatores dificultam agora seriamente os trabalhos de resgate e ajuda humanitária após a catástrofe natural. Como cada minuto conta, a Organização das Nações Unidas mobilizou imediatamente 37 equipes de resgate para as zonas de calamidade, com o apoio tanto dos vizinhos diretos do Haiti como dos Estados Unidos e da Europa.

Proporções ainda incalculáveis

Haiti Erdbeben

Dor e desespero na capital Porto Príncipe

Segundo Simone Pott, da organização alemã de combate à fome Ação Agrária Alemã, é muito difícil ter uma visão total dos estragos, devido à falta de eletricidade e ao funcionamento extremamente irregular das linhas telefônicas.

"Ouvimos falar de grandes destruições [na capital] Porto Príncipe. Consta que os edifícios maiores tombaram. A capital tem também muitos morros, e justamente nos bairros pobres, muito populosos, partimos do princípio de que tenha sido grande o número de vítimas", calcula Pott.

Diretamente do local, Astrid Nissen, da ONG Diakonie Katastrophenhilfe, confirma a dificuldade de se avaliar a extensão do cataclismo. Ela menciona edifícios "danificados, demolidos ou balançando" e os "tímidos" trabalhos de resgate, que se concentram sobretudo nos prédios maiores.

"As casas nas encostas dos morros caíram como cartas. As pessoas escavam os destroços com as próprias mãos, ou com o que encontram pela frente, à procura de sobreviventes ou mortos. No pequeno perímetro que percorri a pé, vi um número enorme de mortos e feridos pelas ruas."

Coordenação in loco e virtual

Klaus Buchmüller, chefe da seção de operações da Defesa Civil Alemã (THW), também envolvida nos trabalhos de salvamento no Haiti, explica que o principal nesta fase é coordenar as ações. Essa função é assumida pela ONU, em conjunto com a União Europeia.

"Para tal, há equipes treinadas, mobilizadas para o local, mas que também se coordenam pela internet, num espaço virtual, por assim dizer. Nele, as ofertas de ajuda são distribuídas, de modo que unidades credenciadas e grandes organizações como a THW tenham uma visão global dos trabalhos."

Haiti Erdbeben Flash-Galerie

Nos morros, casas tombaram como cartas de baralho

O tsunami de 2004 deixou lembranças negativas desse tipo de auxílio internacional abrangente. Na época, a iniciativa foi enorme, porém descoordenada, até mesmo contraproducente, chegou-se a falar em pura ação cega. Um dos meios para evitar que as circunstâncias se repitam é o credenciamento dos participantes, esclarece o chefe de operações da THW.

"Há um grupo internacional da ONU, de assessoria à busca e ao salvamento para terremotos, chamado Search and Rescue Advisory Group, com o qual as grandes organizações colaboram e cujas regras obedecem. Porém os doadores de verbas também exigem cada vez mais a apresentação de resultados, justamente para que se possa oferecer uma assistência sólida", declarou Buchmüller.

Ele informa que, além dos mecanismos de coordenação da ONU e da UE, a Defesa Civil Alemã também trabalha em colaboração estreita com a embaixada alemã no Haiti e com o Ministério das Relações Exteriores, "para não mandar ajuda para onde ela não é mais necessária".

A THW enviou às regiões de calamidade especialistas em construção civil, água, eletricidade e coordenação, assim como uma equipe de 10 pessoas para o processamento de água potável, também capacitada a realizar reparos de infraestrutura.

"Uma espécie de Plano Marshall"

Apesar das enormes dificuldades enfrentadas, o Haiti encontrava-se "no bom caminho" para melhorias tanto no tocante à política e à segurança como na economia, comenta Günther Maihold, vice-diretor do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança (SWP). Em 2009, o país acusou um crescimento econômico de 1,5%, e tinha prognósticos de 2,5% para o ano corrente.

Deutschland Hilfe für die Opfer Erdbeben in Haiti

ONG alemã Medeor coleta donativos para haitianos

Apenas dois dias após o violento terremoto, cujas proporções e número de vítimas estão longe de ser conhecidos, é difícil manter perspectivas positivas, a curto e médio prazo, para um dos mais pobres países do mundo. O embaixador haitiano na Alemanha, Jean Robert Saget, aborda o problema:

"Apelamos a todas as organizações humanitárias que nos possam ajudar. É certo que o governo alemão nos prometeu 1,5 milhão de euros. Mas do que o Haiti precisa no momento é de uma espécie de Plano Marshall. Precisamos de algo assim para sair dessa situação."

Autor: Augusto Valente / dw
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados