Há 30 anos, último fugitivo era morto ao tentar pular o Muro de Berlim | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 05.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

História

Há 30 anos, último fugitivo era morto ao tentar pular o Muro de Berlim

Chris Gueffroy tinha apenas 20 anos quando tentou escapar do regime comunista alemão de uma maneira extremamente arriscada: atravessando a fronteira vigiada que dividia Berlim. Nove meses depois, o Muro caía.

Era pouco antes da meia-noite de 5 de fevereiro de 1989. Os jovens Chris Gueffroy e Christian Gaudian atravessavam uma área de pomares de Berlim Oriental, dirigindo-se ao Canal Britz. Através dele, esperavam conseguir cruzar uma das fronteiras mais bem vigiadas do mundo: o Muro de Berlim.

Os dois tinham a informação – que depois se verificou falsa – de que a ordem para matar quem tentasse fugir pelo Muro teria sido revogada. Ela fora obtida junto a uma fonte que consideravam confiável: um guarda de fronteira que trabalhava na Turíngia.

Foto de Chris Gueffroy, considerado o último morto a tiros no Muro de Berlim

Chris Gueffroy é considerado o último morto a tiros no Muro de Berlim

Bravamente, eles pularam a primeira barreira de mais de três metros – o chamado "muro interior" – e tentaram passar por uma cerca. Sem querer, um deles acionou o alarme, e holofotes rapidamente se acenderam, iluminando toda a área.

Correndo, os dois chegaram ao último obstáculo, uma cerca de quase três metros de altura. Desesperados, eles tentaram se ajudar mutuamente a vencer também aquela barreira. Mas guardas de fronteira descobriram os dois fugitivos e abriram fogo. Chris Gueffroy morreu com um tiro no coração, e Christian Gaudian foi gravemente ferido e, depois, preso.

O barulho de tiros chegou a ser ouvido por Karin Gueffroy, mãe de Chris. Só dias depois, ela soube que seu filho tinha morrido naquela noite. Ele foi a última vítima da ordem de disparo obedecida pelos guardas de fronteira do antigo Muro de Berlim.

Até agora foram contabilizadas 238 mortes na região de fronteira. Desses, 114 eram fugitivos. O número é baseado nas mais recentes descobertas da rede de pesquisas da Universidade Livre de Berlim e complementa um projeto do Memorial do Muro de Berlim e do Centro de Investigação Histórica de Potsdam.

Segundo o estudo, houve ainda 24 casos de mortes de guardas de fronteira, praticadas, por exemplo, por civis armados. Além disso, também foram constatados 44 suicídios desses guardas – por não suportarem viver presos num país cercado por um muro.

Foto da faixa de fronteira entre as duas Alemanhas

Guardas tinham ordens para atirar em quem tentasse fugir do país

Os historiadores analisaram 1.492 casos de suspeita de morte na fronteira entre as duas Alemanhas, mas assinalaram que seriam necessárias novas pesquisas sobre as tentativas de fuga através do Mar Báltico e outros países do antigo bloco soviético.

As pesquisas levaram em conta apenas as mortes em que houve uma conexão direta com o regime da fronteira, incluindo pessoas baleadas que não tinham intenção de atravessar a divisa ou de guardas que foram mortos ao tentar fugir da Alemanha Oriental. Houve também 21 mortes no contexto causal do regime fronteiriço da RDA, como o caso de dois civis e um agente alfandegário fuzilados em Moscou.

O historiador Jan Kostka explica que as autoridades da Alemanha Oriental não costumavam listar as pessoas mortas na fronteira. Pelo contrário, elas procuravam esconder essas mortes. As famílias das vítimas eram forçadas ao silêncio pela Stasi, a polícia secreta dos comunistas.

A própria família de Chris Gueffroy recebeu uma informação vaga de que o rapaz havia morrido quando, segundo a versão oficial, atacou uma zona militar interditada. Mas a mãe levantou dúvidas, pois havia ouvido tiros naquela noite. Duas semanas mais tarde, a família colocou um comunicado de morte no jornal Berliner Zeitung, mencionando um "acidente", uma expressão então indicada para tais casos.

Foto de cerca que separava duas Alemanhas fora de Berlim

Fronteira entre as Alemanhas, fora de Berlim, tinha 1.400 quilômetros

Vários jornalistas ocidentais compareceram ao enterro. A Rias, antiga estação de rádio de Berlim Ocidental, relatou: "A formulação vaga sobre a maneira trágica que Chris fechou seus olhos para sempre foi repetida no discurso do orador profissional do funeral. Não foi possível saber mais nada de oficial sobre a causa da morte. Um grande contingente de forças da Stasi se espalhou desde cedo pelo cemitério."

A atenção tornou o caso Gueffroy uma exceção. Na maioria das mortes, a intimidação das famílias e a ocultação por meio da Stasi tinham sucesso pleno.

Chris Gueffroy tinha apenas 20 anos quando foi morto. Ele deveria se apresentar ao serviço militar, mas preferia viver em liberdade a servir à Alemanha Oriental. Nove meses depois de seu assassinato, em 9 de novembro de 1989, o Muro de Berlim caiu.

No 30º aniversário da morte de Chris Gueffroy, ele foi lembrado num serviço memorial na Capela da Reconciliação. A pequena igreja feita de barro e madeira fica no meio da antiga faixa de fronteira e faz parte do Memorial do Muro de Berlim. Desde 2005, tais cerimônias são realizadas quatro vezes por semana durante quase todo o ano, com o foco sempre num destino concreto ligado ao Muro.

No caso de Gueffroy, é lembrado um jovem que não quis servir o Exército e, portanto, não pôde fazer o ensino médio. Ele sonhava em ser ator ou piloto. "Enquanto lermos as biografias das vítimas, o destino delas continuará sendo parte do nosso presente", disse à DW o diretor do Memorial, Axel Klaus Meier. "Seus destinos mostram quão grande o sofrimento e quão forte seu desejo pela liberdade devem ter sido."

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp 

App | Instagram | Newsletter

Leia mais