Grupo de Contato reunido em Doha exige renúncia de Kadafi | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.04.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Grupo de Contato reunido em Doha exige renúncia de Kadafi

Reunidos no Catar, representantes de países e organizações que buscam saída diplomática para crise na Líbia exigem renúncia do ditador e reconhecem como "interlocutor legítimo" governo de Benghazi formado por rebeldes.

default

Países reconhecem rebeldes com 'legítimos interlocutores'

Devido ao prosseguimento dos combates na Líbia, representantes de mais de 15 países e de organizações internacionais participaram nesta quarta-feira (13/04) em Doha, da reunião do chamado Grupo de Contato sobre a Líbia, em busca de uma solução para a crise no país. O grupo foi formado há duas semanas na Conferência Internacional da Líbia em Londres.

Na capital do Catar, foi exigida uma solução política para a Líbia e a saída do ditador Muammar Kadafi. Os participantes da conferência decidiram ainda que irão avaliar se prestarão apoio financeiro aos rebeldes que lutam contra o regime de Kadafi.

Na declaração final do encontro, os membros do grupo disseram estar dispostos a apoiar a oposição "de forma material". Segundo o ministro do Exterior italiano, Franco Frattini, essa medida também poderia permitir o fornecimento de armas aos rebeldes.

Entre os presentes na reunião em Doha, estavam o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon e representantes dos insurgentes líbios no Conselho Nacional de Transição. Até agora, o Conselho só era reconhecido oficialmente por França, Itália e Catar. O documento final da reunião classificou "o governo de Benghazi como interlocutor legítimo".

Fim do jogo

Além de exigir um cessar-fogo imediato, o Grupo de Contato exige também um recuo das tropas de Kadafi de cidades como Misrata. No final da conferência, o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, disse que a mensagem que ficou do encontro foi que "o jogo acabou" para o regime líbio.

O ministro britânico do Exterior, William Hague, apelou aos participantes do encontro para que aumentem a pressão sobre Kadafi através da aplicação de sanções e de uma melhor implementação da Resolução 1973 das Nações Unidas.

Através dela, o Conselho de Segurança da ONU abriu caminho para uma missão militar internacional no espaço aéreo líbio. Na ocasião, a Alemanha se absteve da votação. Membros da delegação alemã presente em Doha asseguraram que a Alemanha não deverá participar de um eventual fornecimento de armas à oposição da Líbia.

Flash-Galerie Libyen Bürgerkrieg Frankreich Marine

Porta-avião nuclear francês apoia missão da Otan na Líbia

Possível querela

Nesta quinta-feira, em Berlim, a situação na Líbia será tema de encontro dos ministros do Exterior dos países-membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Na capital alemã, a França pretende insistir para que a Otan endureça suas ações na Líbia. "Nós temos que ser capazes de cumprir, juntos, nossa tarefa de proteger a população civil", disse uma autoridade francesa nesta quarta-feira em Bruxelas.

O representante francês reclama que somente seis dos 28 países da aliança militar estão participando dos ataques aéreos. Segundo ele, França e Reino Unido respondem por metade das ações. Na terça-feira, o ministro do Exterior francês, Alain Juppé, e seu colega britânico pediram um fortalecimento da missão da Otan na Líbia.

A exigência de uma ação maior da Otan na Líbia pode ser motivo de polêmica no encontro de dois dias em Berlim. No começo de abril, os Estados Unidos transferiram à Otan o comando dos ataques aéreos internacionais na Líbia, retirando da missão cerca de 50 jatos de combate. Em Berlim, por outro lado, o governo alemão pretende desviar as atenções em prol de uma solução política para o conflito.

Sofrimento da população

Nesta quarta-feira, aviões de combate da Otan bombardearam Syrte, cidade natal de Muammar Kadafi, e Misrata, a terceira cidade mais importante do país, noticiou a televisão estatal líbia. Misrata, controlada pelos rebeldes, é palco há mais de um mês de combates contínuos e de bombardeios quase diários da artilharia de Kadafi. Segundo fontes da ONU, o sofrimento da população na Líbia é cada vez maior, principalmente nas cidades disputadas por rebeldes e tropas de Kadafi .

Libyen Kontaktgruppe Katar Al Thani Westerwelle Ban Ki-Moon

Ban Ki-moon (d) exigiu mais doações em Doha

Ban Ki-moon informou em Doha que na cidade de Misrata o acesso a alimentação, água e cuidados estaria bastante limitado ou mesmo cortado. "Desde o começo dos conflitos, cerca de 490 mil pessoas deixaram o país e outras 330 mil estariam em fuga", disse o secretário-geral da ONU.

Ban Ki-moon reclamou da falta de doações para a Líbia. Somente 39% do apelo de ajuda da ONU teriam sido atendidos, disse. As Nações Unidas exigiram de seus 192 países-membros 214 milhões de dólares para a população necessitada na Líbia.

Nesta quarta-feira, a Comissão Europeia anunciou em Bruxelas que elevou em 10 milhões de euros, para 40 milhões de euros, o montante de sua ajuda humanitária para a população civil líbia. Segundo a comissária europeia de ajuda humanitária, Kristalina Georgieva, a UE pretende concentrar seu trabalho na evacuação de estrangeiros. Segundo a Comissão, até agora foram retirados da Líbia 5,8 mil europeus e cerca de 20 mil estrangeiros de outras nacionalidades.

CA/dpa/epd/lusa/afp
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados