Grupo é sequestrado em restaurante no México | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 15.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Grupo é sequestrado em restaurante no México

Cerca de dez pessoas foram levadas por homens armados que invadiram local em Puerto Vallarta. Autoridades afirmam que sequestro é ajuste de contas entre organizações criminosas rivais.

Puerto Vallarta é um dos principais destinos turísticos do México

Puerto Vallarta é um dos principais destinos turísticos do México

Pelo menos dez pessoas foram sequestradas nesta segunda-feira (15/08) em restaurante do centro de Puerto Vallarta, no estado mexicano de Jalisco. O grupo foi levado por homens armados que invadiram o local. Autoridades acreditam que um ajuste de contas entre organizações criminosas rivais motivou o sequestro.

"Devido às evidências encontradas nos veículos pertencentes a essas pessoas foi possível determinar claramente que elas fazem parte de uma organização criminosa", afirmou o procurador-geral de Jalisco, Eduardo Almaguer, sobre as vítimas, ressaltando que não havia turistas entre os reféns.

Almaguer disse ainda que o grupo estava em um restaurante em uma avenida central quando cinco homens armados invadiram o local por volta das 1h da manhã (horário local) e foi levado a bordo de duas camionetes. Os reféns seriam oriundos dos estados de Jalisco, Sinaloa e Nayarit, todos localizados na costa do Oceano Pacífico, em uma região que é rota de tráfico de drogas para os Estados Unidos.

A polícia está investigando o crime. A segurança na região foi reforçada. Puerto Vallarta é um dos principais destinos turísticos do país.

O cartel de drogas Jalisco Nova Geração opera no estado e se tornou nos últimos anos em uma das principais ameaças à segurança mexicana. A organização tem conflitos com o cartel de Sinaloa, que era comandado Joaquin "El Chapo" Guzmán, que foi detido em janeiro, após uma fuga espetacular de uma prisão de segurança máxima em julho do ano passado.

CN/rtr/efe

Leia mais