Groenlândia perde gelo sete vezes mais rápido do que nos anos 1990 | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 10.12.2019

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ciência

Groenlândia perde gelo sete vezes mais rápido do que nos anos 1990

Estudo revela aceleração no processo de degelo da ilha. Desde 1992, região perdeu 3,8 trilhões de toneladas de gelo, volume suficiente para elevar em 10,6 milímetros o nível do mar.

Groenlândia

Degelo na Groenlândia aumentou mais rápido do que o esperado

O derretimento da imensa camada de gelo da Groenlândia está ocorrendo sete vezes mais rápido do que na década de 1990, revelou um estudo publicado nesta terça-feira (10/12) na revista especializada Nature. Os cientistas alertam que esse fenômeno pode colocar milhões de pessoas em risco até o final do século.

Com camadas de até três quilômetros de espessura em alguns lugares, a Groenlândia perdeu 3,8 trilhões de toneladas de gelo desde 1992, o suficiente para elevar em 10,6 milímetros o nível do mar. A taxa de degelo aumentou de 33 bilhões de toneladas por ano na década de 1990 para os atuais 254 bilhões de toneladas ao ano, ou seja, sete vezes mais em apenas três décadas.

De acordo com o estudo, metade do degelo é resultado do derretimento de superfície, outra parte ocorre devido ao fluxo da geleira desencadeado pelo aumento da temperatura do mar. O pico do degelo na região ocorreu em 2011, quando houve uma perda de 335 bilhões de toneladas, que diminuiu para o volume atual.

Cientistas temem que o aquecimento global, causada pelas emissões de gases de efeito estufa, tenham empurrado as camadas de gelo a ponto sem retorno, o que teria consequências catastróficas para a humanidade. Em 2013, o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) previu que, se o aquecimento global continuasse no ritmo daquele ano, o nível do mar subiria 60 centímetros até 2100 e ameaçaria 360 milhões de habitantes de regiões costeiras.

O estudo revelou, porém, que o degelo na Groenlândia aumentou mais rápido do que o esperado e corresponde ao cenário mais adverso previsto pelo IPCC, que prevê um aumento de 67 centímetros no nível do mar.

"Como regra geral, cada centímetro de aumento do nível do mar expõe seis milhões de pessoas a inundações costeiras", afirmou o coautor do estudo Andrew Shepherd da Universidade de Leeds.

De acordo com a atual tendência, 400 milhões de pessoas seriam diretamente afetadas pelo aumento do nível do mar. "Esses não são eventos improváveis ou de pequeno impacto, mas estão acontecendo e serão devastadores para as comunidades costeiras", acrescentou Shepherd.

O estudo é um do mais completos já realizados sobre o derretimento das camadas de gelo na região. Para calcular as mudanças no volume de gelo entre 1992 e 2018, os pesquisadores analisaram 26 pesquisas, além de utilizar dados de 11 satélites. Dados deste ano não foram incluídos na abordagem e podem bater novos recordes devido ao verão com temperaturas acima da média.

CN/efe/afp/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais