Greve de taxistas contra Uber ganha força na Espanha | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 29.07.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Greve de taxistas contra Uber ganha força na Espanha

Motoristas de outras cidades espanholas aderem ao movimento que começou em Barcelona e atinge também Madri. Eles reclamam de concorrência desleal por parte de carros da Uber e Cabify.

Motoristas de táxi trancaram o centro de Barcelona durante a paralisação

Motoristas de táxi trancaram o centro de Barcelona durante a paralisação

Os taxistas de várias cidades da Espanha se uniram neste domingo (29/07) à greve por tempo indeterminado dos seus colegas de Barcelona e Madri por causa das licenças para carros da Uber ou Cabify.

Os grevistas exigem das autoridades que limitem as licenças para essas empresas, que acusam de concorrência desleal. As paralisações têm afetado locais de grande circulação de turistas, como os aeroportos, no auge da temporada turística.

O governo espanhol pede calma e retorno à normalidade aos taxistas. Uber e Cabify suspenderam seus serviços na quarta-feira, depois de taxistas terem atacado com pedras vários motoristas das empresas. Dois tiveram que ser atendidos em hospitais.

A Uber também emitiu um comunicado aos seus motoristas, no qual afirma que está à procura de soluções para acalmar a situação. Vários motoristas da empresa denunciaram agressões por parte de taxistas nos últimos dias.

Spanien | Taxifahrerstreik in Barcelona

Paralisação começou na capital da Catalunha

O movimento começou na quarta-feira em Barcelona, mas ganhou força na sexta-feira, depois de uma decisão da Justiça da Catalunha que manteve suspenso um novo regulamento que restringe a concessão das licenças.

Depois de Barcelona, os taxistas de Madri tomaram uma decisão semelhante no sábado, deixando sem serviço o aeroporto de Barajas. Neste domingo foi a vez dos motoristas de Málaga, no sul, de Saragoça, na região nordeste, e das ilhas Baleares anunciarem adesão à greve.

Em Málaga, o líder dos taxistas afirmou que, em cada dia de protesto, metade da frota de 2.600 táxis vai parar. Em Sevilha, os taxistas decidem nesta segunda-feira se participam da paralisação.

Na sexta-feira, os taxistas de Barcelona paralisaram o centro da cidade com os táxis, assim como os acessos ao aeroporto. Centenas deles passaram a noite parados na Gran Vía de Barcelona.

"Se não conseguirmos que se aprove a licença urbana, vamos intensificar as mobilizações em todo o país de forma coordenada e parar a economia", declarou o porta-voz da associação de taxistas Élite Taxi.

As paralisações ocorrem em pleno verão europeu, a época preferida dos turistas de todo o mundo para visitar a Espanha, o que obrigou as autoridades a reforçar os serviços de transporte público nos aeroportos de Barcelona e Madri.

Conflitos semelhantes entre taxistas e motoristas do Uber ocorrem em várias grandes cidades do mundo. Os taxistas reclamam de concorrência desleal, argumentando que os motoristas das empresas não precisam cumprir com normas e pagam menos impostos.

AS/efe/lusa/ap

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais