Governo britânico vai investigar atuação da polícia contra brasileiro David Miranda | NRS-Import | DW | 23.08.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

NRS-Import

Governo britânico vai investigar atuação da polícia contra brasileiro David Miranda

Uma apuração independente vai avaliar se houve abusos por parte das autoridades do aeroporto de Heathrow quando elas detiveram o brasileiro por nove horas com base na legislação antiterrorismo britânica.

epa03830882 A handout picture provided by Brazilian media network 'O Globo' shows Brazilian citizen David Miranda (L) and his partner Glenn Greenwald (R) as they arrive at international airport Galeao Tom Jobim in Rio de Janeiro, Brazil, 19 August 2013. Brazil on 19 August 2013 has criticized Britain over the detention 'without justification' of the partner of Guardian journalist Glenn Greenwald, who has written about secret US cyber-spying programmes leaked to him by whistleblower Edward Snowden. Brazilian citizen David Miranda, 28, was held for nearly nine hours at London's Heathrow airport under Schedule 7 of the Terrorism Act before being released without charge, British police sai EPA/Marcelo Piu / HANDOUT BRAZIL OUT HANDOUT EDITORIAL USE ONLY/NO SALES +++(c) dpa - Bildfunk+++

Glenn Greenwald und David Miranda

O advogado David Anderson, que atua como revisor independente das leis antiterrorismo na Grã-Bretanha, irá apurar se os procedimentos seguidos pelos agentes em Heathrow ocorreram "conforme a lei e de maneira adequada e humana", como escreveu em uma carta à ministra do Interior Theresa May.

O Supremo Tribunal britânico acatou na quinta-feira (22/08) um recurso feito pela defesa de Miranda para impedir que os arquivos digitais que ele levava consigo no momento em que foi detido, no último domingo, sejam copiados ou divulgados pelo governo. Os juízes decidiram que o material não pode ser divulgado até o dia 30 de agosto e que a polícia londrina não poderá utilizá-los, caso não consiga provar até este prazo que seu conteúdo afeta a segurança nacional.

A advogada de David Miranda, Gwendolen Morgan, considerou a decisão "uma vitória parcial", mas afirmou que irá apelar da decisão do Supremo Tribunal que permite que a polícia continue investigando os arquivos apreendidos.

"Vidas em risco"

Já detetives de unidades antiterrorismo anunciaram que haviam iniciado uma investigação, após o exame preliminar dos dados. "Nós identificamos material altamente sensível, cuja publicação pode colocar vidas em risco", declarou a Polícia Metropolitana de Londres.

David Miranda é companheiro do jornalista Glenn Greenwald, do diário britânico The Guardian, responsável por revelar os documentos secretos vazados pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden. Ele regressava de Berlim para o Rio de Janeiro, com uma escala em Londres, quando foi detido pelas autoridades britânicas. Miranda também entrou com um processo para que sua detenção seja considerada ilegal.

DM/dpa/rtr