Governo britânico impõe segundo lockdown na Inglaterra | Notícias internacionais e análises | DW | 31.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Governo britânico impõe segundo lockdown na Inglaterra

Medidas anunciadas pelo primeiro-ministro Boris Johnson vigoram de quinta-feira até até 2 de dezembro. Premiê diz que covid-19 se alastra no país mais rápido do que as previsões mais sombrias.

Homem anda com máscara com ponte Tower Bridge ao fundo, em Londres

Com mais de 46 mil mortes, Reino Unido tem o maior número de óbitos por covid-19 na Europa

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou neste sábado (31/10) um novo lockdown para a Inglaterra, que começa a vigorar na quinta-feira e deve durar até 2 de dezembro. As escolas e universidades, além de comércio de produtos essenciais devem permanecer abertas durante este período. As pessoas só poderão sair de casa por razões específicas, como educação, trabalho ou compra de mantimentos e remédios.

"Agora é a hora de agir porque não há alternativa", disse Johnson, em discurso televisionado, ressaltando que o coronavírus está se espalhando "ainda mais rápido do que no pior cenário dos assessores científicos".

Johnson, que chegou a ser hospitalizado devido à covid-19, acrescentou que "nenhum primeiro-ministro responsável" poderia ignorar os números sombrios. "A menos que ajamos, podemos ver mortes neste país chegarem a vários milhares por dia", disse.

Depois do primeiro lockdown nacional em março, o primeiro-ministro se recusou a adotar a medida novamente. Em vez disso, optou por restrições regionais baseadas em um sistema de alerta de três estágios. No entanto, os especialistas vinham alertando há dias que essas medidas não eram mais suficientes para conter a rápida disseminação do vírus.

Mudança de estratégia

A mudança dramática de estratégia foi provocada pela disparada do número de casos de infecção por coronavírus no Reino Unido, que ultrapassou o limite de um milhão, após quase 22 mil novas infecções terem sido registradas em 24 horas.

Com mais de 46 mil mortes, o Reino Unido registrou o maior número de óbitos em decorrência da covid-19 na Europa.

De acordo com especialistas, mesmo os prognósticos mais sombrios para a pandemia serão superados: como mostram os documentos do Grupo de Assessoria Científica para Emergências (Sage) do governo britânico, o número de pessoas infectadas e internações hospitalares pode até exceder os cálculos para o pior cenário. O pior cenário calculado em julho previu mais 85 mil mortes em uma segunda onda de infecções no inverno.

Na Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, os governos regionais já impuseram um bloqueio parcial em vista do número crescente de infecções.

Toque de recolher na Áustria

Também neste sábado, o governo austríaco anunciou toque de recolher noturno, entre 20h e 6h – quando os cidadãos só poderão deixar seus lares por motivos determinados –, e o fechamento de cafés, bares e restaurantes, num momento em que a disseminação do coronavírus ameaça sobrecarregar os hospitais do país. Locais de lazer e cultura deverão permanecer fechados. Eventos também foram proibidos, com exceção de sepultamentos. O lockdown parcial austríaco vai vigorar quatro semanas, a partir desta terça-feira.

MD/rtr/afp/efe

Leia mais