Governo Bolsonaro não terá Ministério do Trabalho | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 03.12.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Governo Bolsonaro não terá Ministério do Trabalho

Futuro chefe da Casa Civil contradiz declaração do presidente eleito e confirma fim da pasta, cujas atribuições devem ser divididas entre os ministérios da Justiça, da Cidadania e da Economia.

Onyx Lorenzoni

"O Ministério do Trabalho ficará em parte no ministério do Moro, outra com Osmar Terra e outra com Paulo Guedes", disse Onyx

Contradizendo uma declaração recente do presidente eleito Jair Bolsonaro, o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta segunda-feira (03/12) que o Ministério do Trabalho será extinto e terá suas atribuições divididas entre as pasta da Justiça, da Cidadania e da Economia.

"O atual Ministério do Trabalho como é conhecido ficará uma parte no ministério do doutor [Sergio] Moro, outra parte com Osmar Terra e outra parte com o Paulo Guedes", afirmou.

Quer receber as notícias da DW no Whatsapp? Clique aqui

Moro foi nomeado por Bolsonaro como ministro da Justiça e Segurança Pública, e Osmar Terra, como ministro da Cidadania. Paulo Guedes vai comandar o Ministério da Economia.

No início de novembro, Bolsonaro anunciou que o Ministério do Trabalho seria extinto e incorporado a outra pasta. Menos de uma semana depois, após críticas e protestos de servidores, o presidente eleito voltou atrás, afirmando que a pasta do Trabalho teria seu status mantido.

"O Ministério do Trabalho vai continuar com status de ministério, não vai ser secretaria. Vai ser Ministério 'Disso, Disso e do Trabalho'. É igual ao Ministério da Indústria e Comércio, é tudo junto", afirmou Bolsonaro em 13 de novembro.

Segundo anunciou Onyx, Moro ficará encarregado da secretaria ligada à concessão sindical. Pode ser que o Ministério da Justiça e Segurança Pública também fique responsável pela fiscalização do trabalho escravo, disse.

Siga a DW Brasil no Instagram

O futuro chefe da Casa Civil afirmou ainda que as políticas públicas relacionadas ao emprego ficarão em parte a cargo do Ministério da Economia e em parte do da Cidadania.

Após a confirmação do fim da pasta, o Ministério do Trabalho criticou a decisão e afirmou em nota que a divisão atenta contra a Constituição. "Dissolver as atribuições do Ministério do Trabalho em diversas pastas, sem a adoção de medidas de compensação democrática, retiraria um dos palcos em que é promovida a interlocução entre trabalhador, empregadores e Estado regulador, essencial à garantia do equilíbrio das relações de trabalho", destaca o texto.

Apesar da anunciada extinção do Ministério do Trabalho, o futuro governo Bolsonaro terá, segundo Onyx, 22 ministérios – superando a promessa feita inicialmente pelo presidente eleito de reduzir o número de pastas das atuais 29 para 15.

Onyx ressaltou que serão 20 ministérios funcionais e dois "eventuais": o Banco Central (BC) e a Advocacia-Geral da União (AGU). O BC pode perder o status de ministério se for aprovado um projeto para lhe conceder autonomia, e a AGU, após um "ajuste constitucional".

Bolsonaro já nomeou 20 ministros e deve anunciar nesta semana quem vai comandar o Ministério do Meio Ambiente. Segundo Onyx, a pastora evangélica Damares Alves é "a mais provável" para assumir a chefia dos Direitos Humanos. Ainda não está definido, porém, se a pasta terá de fato status de ministério ou se será rebaixada a secretaria.

LPF/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais