Governo arrecada 2,4 bilhões de reais em leilão de aeroportos | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 15.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Governo arrecada 2,4 bilhões de reais em leilão de aeroportos

Privatização de 12 terminais tem ágio médio de quase 1.000% ao somar valores que ficam 2,158 bilhões de reais acima do lance mínimo estipulado no edital. Aeroportos no Nordeste são os mais disputados.

Aeroporto de Aracaju

Bloco Nordeste, que incluía aeroporto de Aracaju, foi arrematado por 1,9 bilhão de reais

O governo arrecadou 2,377 bilhões de reais no leilão para a privatização de 12 aeroportos nesta sexta-feira (15/03). Com um valor 2,158 bilhões de reais acima do mínimo estipulado no edital, o ágio médio (diferença entre o mínimo e a soma dos lances vitoriosos) foi de 986%.

Com uma movimentação anual total de 19,6 milhões de passageiros, os 12 aeroportos foram leiloadas em três blocos: Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste. Os vencedores irão administrar os terminais pelos próximos 30 anos.

O bloco Nordeste, que inclui os terminais de Recife, Maceió, João Pessoa, Aracaju, Juazeiro do Norte e Campina Grande, foi o mais disputado. A gestora espanhola de aeroportos Aena levou a concessão ao se impor sobre o grupo suíço Zurich Airport depois de uma intensa disputa.

A Aena teve que aumentar sua oferta na última hora depois que a empresa suíça subiu o preço na reta final. A espanhola ofereceu 1,9 bilhão de reais pelo bloco, um valor 1.010% superior à outorga mínima do leilão, que era de 171 milhões de reais.

Além desse montante, está previsto que a Aena faça investimentos de 2,153 bilhões de reais para a modernização e melhorias nos seis terminais, sendo 788 milhões de reais nos cinco primeiros anos dos 30 anos de contrato.

O bloco Centro-Oeste, que engloba os terminais de Cuiabá, Sinop, Rondonópolis e Alta Floresta, ficou com o consórcio Aeroeste, formado pela empresa Socicam, que administra a rodoviária do Tietê, em São Paulo, e pela Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico (Sinart). A oferta vencedora foi de 40 milhões de reais, com ágio de 4.739% sobre o valor mínimo de 800 mil reais. O investimento previsto é de 771 milhões de reais.

Já a Zurich Airport levou o bloco Sudeste, que compreende os terminais de Vitória e Macaé. O grupo ofereceu 437 milhões de reais, com ágio de 830% em relação ao lance mínimo de 46,9 milhões de reais. O investimento previsto é de 592 milhões de reais.

Pelas regras do edital, os grupos deverão fazer melhorias nos locais e, além da outorga mínima depositada na assinatura, terão que repassar uma outorga variada ao longo da concessão, que dependerá da receita bruta da concessionária. Esse pagamento, porém, começará após cinco anos. Com a outorga variada, o governo compartilha o risco de perdas que as concessionárias podem ter dependendo da economia.

Este foi o quinto leilão de privatização de aeroportos do país e o primeiro do governo do presidente Jair Bolsonaro. "É uma grande demonstração de confiança no país", afirmou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, no fim da disputa.

Com os 12 aeroportos leiloados nesta sexta-feira, sobe para 22 o número de terminais privatizados. O governo pretende conceder à iniciativa privada todos os aeroportos do país até 2022.

CN/efe/abr/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados