Governo alemão critica ofensiva dos EUA para tomar pesquisa de vacina | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 16.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Governo alemão critica ofensiva dos EUA para tomar pesquisa de vacina

"Não vamos derrotar o vírus agindo um contra o outro", diz ministro de Merkel após jornal revelar que Trump tentou assegurar direitos de potencial vacina contra novo coronavírus que vem sendo desenvolvida na Alemanha.

Kroatien Treffen EU-Außenminister in Zagreb Heiko Maas (Imago Images/photothek/J. Schmitz)

Além de Heiko Maas (foto), o ministro da Economia, Peter Altmaier, também criticou americanos

O governo alemão criticou nesta segunda-feira (16/03) a ofensiva financeira do presidente dos EUA, Donald Trump, para adquirir uma potencial vacina contra o novo coronavírus, em desenvolvimento pela empresa alemã CureVac. O caso foi revelado no domingo pelo jornal alemão Welt am Sonntag, que apontou que Trump ofereceu uma grande quantia de dinheiro aos cientistas alemães para garantir o direito exclusivo sobre a vacina, em detrimento de uma colaboração internacional.

"Pesquisadores alemães desempenham uma posição de liderança no desenvolvimento de remédios e vacinas no âmbito de colaborações internacionais. Não podemos permitir que outros busquem a exclusividade dos resultados dessas pesquisas", disse hoje o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, ao grupo de mídia Funke.

Maass também salientou que a Alemanha procura uma maior cooperação para combater o novo coronavírus. "Nós só vamos derrotar esse vírus em conjunto, e não agindo um contra o outro", completou Maas.

No domingo, o jornal citou uma fonte anônima próxima do governo alemão dizendo que Trump está fazendo de tudo para obter o agente imunizador: o presidente teria oferecido "1 bilhão de dólares" para garantir que a vacina seja "apenas para os Estados Unidos".

Antes de Maas, o ministro da Economia, Peter Altmaier, já havia reagido à reportagem do Welt, que traz a manchete "Trump vs Berlim" em sua capa, afirmando que a "Alemanha não está à venda".

Altmaier ainda elogiou a empresa por não ser tentada pela oferta americana. "Foi uma ótima decisão", disse ele em um programa de televisão na noite de domingo. Ele também disse que o governo alemão "garantirá que a ajuda necessária esteja disponível" para a empresa no desenvolvimento da vacina. E ele alertou que o governo alemão deve intervir caso ocorra alguma tentativa de tomada hostil da empresa. "Quando se trata de infraestrutura importante e de interesses nacionais e europeus", disse ele, "agiremos se for necessário".

O bilionário alemão Dietmar Hopp, que detém a maior parte das ações da CureVac, também criticou a ofensiva de Trump, apontando que falta solidariedade ao presidente americano. "Assim que – e esperamos que seja em breve – conseguirmos desenvolver uma vacina eficaz contra o coronavírus, ela deve alcançar, proteger e ajudar as pessoas, não apenas num aspecto regional, mas, seguindo o espírito de solidariedade, em todo o mundo", disse Hopp.

Reações

O caso provocou fúria entre os partidos alemães "O que importa agora é a cooperação internacional, não o interesse nacional próprio", disse o deputado conservador Erwin Rüddel, membro do comitê de saúde do Parlamento alemão.

Christian Lindner, líder do Partido Liberal Democrático (FDP), acusou o presidente dos EUA de usar a questão para fins eleitorais, já que concorre à reeleição neste ano. "Obviamente, Trump usará todos os meios disponíveis numa campanha eleitoral", afirmou.

Por outro lado, uma autoridade dos Estados Unidos alegou à agência de notícias AFP que a reportagem do jornal alemão foi "exagerada". "O governo dos EUA conversou com muitas (mais de 25) empresas que afirmam poder ajudar com uma vacina. A maioria dessas companhias já recebeu financiamento inicial de investidores americanos", disse.

O funcionário também negou que Washington esteja tentando comprar uma vacina para mantê-la exclusivamente no país. "Continuaremos a conversar com qualquer empresa que diz poder ajudar. E qualquer solução encontrada será compartilhada com o mundo."

A CureVac, fundada em 2000, está sediada na cidade de Tübingen, no sudoeste alemão, e possui laboratórios em Frankfurt e em Boston, nos Estados Unidos.

A empresa trabalha hoje na fabricação de uma vacina contra o vírus Sars-Cov-2 em colaboração com o Instituto Paul Ehrlich, vinculado ao Ministério da Saúde alemão. A expectativa é ter uma vacina experimental até junho ou julho e, em seguida, obter aprovação para testes em pessoas.

Na semana passada, a CureVac surpreendeu ao anunciar que substituiu o então CEO Daniel Menichella por Ingmar Hoerr, apenas algumas semanas após Menichella se encontrar com Trump.

"Estamos muito confiantes de que seremos capazes de desenvolver uma potente candidata a vacina dentro de alguns meses", afirmara Menichella logo após o encontro em Washington, que também contou com o vice-presidente Mike Pence e representantes de empresas farmacêuticas.

Desde que o Sars-Cov-2 surgiu pela primeira vez em dezembro, mas de 162 mil casos foram registrados em mais de 130 países e territórios, com o número de mortos superando 6 mil. Quase 75 mil pessoas se recuperaram, a maioria na China.

O próprio Trump esteve próximo de algumas pessoas que testaram positivo para o coronavírus, incluindo o secretário de Comunicação do governo brasileiro, Fabio Wajngarten. O presidente realizou exames, que, segundo a Casa Branca, deram negativo.

JPS/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter