Gbagbo preso na Costa do Marfim após quatro meses de resistência | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.04.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Gbagbo preso na Costa do Marfim após quatro meses de resistência

Apoiadas pela França e pelas Nações Unidas, tropas ligadas ao presidente eleito, Alassane Ouattara, capturam líder marfinense que se recusava a aceitar resultado das eleições.

default

Gbagbo: abatido após prisão

A sangrenta luta pelo poder na Costa do Marfim culminou nesta segunda-feira (11/04) com a prisão do presidente cessante Laurent Gbagbo, que há quatro meses se recusava a deixar o governo. Tropas leais ao presidente eleito e reconhecido internacionalmente, Alassane Ouattara, capturaram o rival na cidade de Abidjan e o levaram, por questões de segurança, para o Hotel Golf, quartel-general do presidente de direito. A prisão foi confirmada pelo embaixador francês Jean-Marc Simon. Gbagbo está acompanhado da esposa, Simone, e do filho.

Elfenbeinküste Truppen von Ouattara in Abidjan

Tropas de Ouattara preparam armas

Antes, testemunhas afirmaram terem visto militantes pró-Ouattara entrar na área do complexo residencial de Gbagbo, cercado por veículos blindados franceses e das Nações Unidas, segundo reportou a agência de notícias France Press. Gbagbo estava escondido em um bunker na residência, atacada durante toda a madrugada por mísseis disparados de helicópteros das Nações Unidas e da França.

Segundo um porta-voz do governo francês, logo após a prisão, o presidente Nicolas Sarkozy conversou com Ouattara por telefone, mas o assunto da conversa não foi divulgado. Embora mantenha 1.650 soldados na Costa do Marfim, a França nega ter sido responsável pela prisão. No entanto, um porta-voz do líder marfinense afirmou que este "saiu de seu abrigo e se rendeu aos franceses sem qualquer resistência".

Longa resistência

Há quatro meses, a Costa do Marfim enfrenta uma grave crise política, a qual desencadeou em uma guerra civil entre grupos rivais, causando centenas de mortes. Em novembro passado, Ouattara vencera as eleições presidenciais no país, mas Gbagbo – no comando do país desde 2000 – vinha se negando desde então a deixar o cargo para o sucessor eleito.

As tropas lideradas por Ouattara ganharam o apoio da ONU e da França. No início de abril, os Estados Unidos e a União Europeia pressionaram Gbagbo a renunciar à presidência. O presidente norte-americano, Barack Obama, chegou a declarar que Gbagbo "deveria respeitar a vontade de seu povo e deixar de reivindicar a presidência".

MS/afp/dpa/rts
Revisão: Augusto Valente

Leia mais