Gastos militares globais atingem maior nível em 30 anos | Notícias internacionais e análises | DW | 29.04.2019

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Gastos militares globais atingem maior nível em 30 anos

Despesas chegam a nível mais alto desde fim da Guerra Fria, alimentadas pelos investimentos dos EUA e China, mostra relatório do Sipri. Americanos são responsáveis por 36% das despesas com armamentos no mundo.

Tanque Leopart 2 faz um disparo

Gastos militares globais em 2018 atingiram 1,82 trilhão de dólares, aumento de 2,6% em relação ao ano anterior.

As despesas militares globais atingiram em 2018 seu nível mais alto desde o fim da Guerra Fria, alimentadas pelo aumento dos gastos dos Estados Unidos e China, as duas maiores economias do mundo, segundo números divulgados nesta segunda-feira (29/04) pelo Instituto Internacional de Pesquisa da Paz de Estocolmo (Sipri).

Em seu relatório anual, o think tank sueco aponta ser esse o valor mais alto desde 1988, primeira vez que o levantamento foi publicado, quando a Guerra Fria começava a arrefecer.

Os gastos militares americanos aumentaram 4,6% em 2018, chegando a 649 bilhões de dólares e colocando o país ainda mais na dianteira em relação às demais nações. Os EUA foram responsáveis por 36% do total de despesas militares globais, valor próximo aos gastos combinados dos oitos países seguintes na lista, segundo o Sipri.

A China, em segundo lugar, apresentou seu 24º crescimento anual consecutivo, aumentando seus gastos militares em cerca de 5%, num total de 250 bilhões de dólares. Os chineses representam 14% dos investimentos globais e nos últimos dez anos cresceram 83%. Desde 2013, o país dedica 1,9% de seu PIB a armamentos.

Seguem-se a Arábia Saudita (67,6 bilhões de dólares) Índia (66,5 bilhões) e França (63,8 bilhões). Em sexto lugar está a Rússia (61,4 bilhões), que assim, pela primeira vez desde 2006, deixa de fazer parte dos cinco maiores da lista do Sipri. Uma das razões para a queda de investimentos russos, verificada desde 2016, está nas sanções do Ocidente devido ao conflito com a Ucrânia. Enquanto isso, a Ucrânia aumentou suas despesas militares em 21% em relação ao ano anterior, gastando 4,8 bilhões de dólares.

Em sétimo lugar está o Reino Unido (50 bilhões). A Alemanha vem em oitavo lugar, tendo subido um posto em relação a 2017: ela investiu 49,5 bilhões de dólares em defesa, 1,8% a mais do que em 2017.

"Em 2018, os EUA e a China representaram metade gastos militares do mundo", enfatizou Nan Tian, pesquisador do Programa de Despesas com Armas e Militares (Amex) do Sipri.

Com o comprometimento do presidente Donald Trump de fortalecer a defesa, apesar de reduzir os números de tropas dos EUA em zonas de conflito como o Afeganistão, 2018 marcou o primeiro aumento nos gastos militares dos EUA desde 2010, revelou o Sipri. Seu pedido de gastos com defesa ao Congresso este ano é o maior historicamente em termos de dólares, antes do ajuste pela inflação.

"O aumento dos gastos dos EUA foi impulsionado pela implementação, a partir de 2017, de novos programas para aquisição de armamentos sob a administração Trump", ressaltou o diretor do programa Amex, Aude Fleurant, através de comunicado.

MD/afp/epd/rtr

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais