1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
G7 reunião
Ministros das Relações Exteriores dos países do G7 se reuniram em Liverpool, na Inglaterra,Foto: Olivier Douliery/AP/picture alliance
PolíticaGlobal

G7 faz advertências ao Irã e à Rússia

12 de dezembro de 2021

Ministros do Exterior do G7 ameaçam o Kremlin com novas sanções caso país decida invadir Ucrânia. Já o governo iraniano é alertado de que o tempo está se esgotando para reativar o acordo nuclear.

https://www.dw.com/pt-br/g7-faz-advert%C3%AAncias-ao-ir%C3%A3-e-%C3%A0-r%C3%BAssia/a-60098498?maca=bra-rss-br-all-1030-rdf

O G7, grupo que reúne os principais países industrializados do mundo, emitiu neste domingo (12/12) duas advertências à Rússia e ao Irã, como forma de apresentar uma frente unida contra o que considera ameaças globais.

Reunidos em Liverpool, na Inglaterra, os ministros do Exterior da Alemanha, EUA, Japão, Itália, França, Canadá e Reino Unido disseram que o tempo está se esgotando para que Teerã concorde em conter suas ambições nucleares e em reativar o acordo de 2015. Já o recado dirigido a Moscou fez uma advertência sobre possíveis consequências no caso de a Rússia invadir a Ucrânia.

Recado aos iranianos

O Reino Unido, que detém a presidência rotativa do G7, disse que a retomada das negociações nucleares em Viena é a "última chance da República Islâmica do Irã de chegar à mesa de negociações com uma resolução séria".

"Ainda há tempo para o Irã chegar e concordar sobre esse acordo", disse a secretária do Exterior britânica, Liz Truss, enquanto as negociações do G7 eram encerradas.

"Esta é a última chance para que o Irã compareça à mesa de negociações com uma solução séria para este problema", disse a ministra, ressaltando que Teerã precisa oferecer "uma proposta séria".

"É vital que o façam" porque "não deixaremos que o Irã consiga uma arma nuclear", completou.

As negociações foram reiniciadas na quinta-feira para tentar reativar o acordo de 2015 entre o Irã e as potências mundiais, que ficou paralisado quando Washington se retirou do tratado em 2018, durante a presidência de Donald Trump.

O sucessor de Trump, Joe Biden, disse que está pronto para voltar ao acordo, e as autoridades iranianas afirmam que levam a sério o compromisso com as negociações. Mas as potências ocidentais suspeitam que Teerã esteja criando objeções para ganhar tempo.

G7 pronto para ampliar sanções à Rússia

Paralelamente, os ministros do G7 também discutiram planos para conter as ambições da Rússia em meio a temores de que Moscou possa estar se preparando para atacar a Ucrânia.

A inteligência dos EUA avalia que a Rússia possa estar planejando uma ofensiva em várias frentes contra a Ucrânia já no próximo ano, envolvendo até 175 mil soldados.

O Kremlin nega as acusações, mas exigiu garantias de que a Otan não se expanda mais para o leste ou posicionará suas armas perto do território russo.

Os ministros das Relações Exteriores do G7 também se posicionaram a favor da promessa de Biden de apoiar a Ucrânia.

"Estamos sendo claros que qualquer incursão da Rússia na Ucrânia terá consequências enormes, com um custo severo", disse Truss. Segundo a ministra britânica, a reunião de Liverpool mostrou "a voz uníssona dos países do G7, que representam 50% do PIB mundial, dizendo claramente que haverá enormes consequências para a Rússia em caso de incursão na Ucrânia".

"Estamos unidos em nossa condenação à intensificação militar e a retórica agressiva da Rússia com a Ucrânia", declaram os países do G7, reafirmando seu "compromisso inabalável com a soberania e a integridade territorial da Ucrânia".

Não houve um acordo claro, no entanto, sobre a aplicação de sanções sobre o gasoduto Nord Stream 2. O controverso gasoduto submarino, projetado para duplicar o transporte de gás russo diretamente para a Alemanha, ainda não recebeu licença de operação do governo alemão. A Polônia e os EUA vêm pedindo para que Alemanha adie qualquer aprovação como forma de pressionar a Rússia a não agir contra a Ucrânia.

jps/as (AFP, Reuters, DW)