Futuro da Opel continua incerto após impasse nas negociações | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 28.05.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Futuro da Opel continua incerto após impasse nas negociações

Após o fracasso da reunião entre os interessados na incorporação da Opel e representantes do governo alemão, o futuro dos 26 mil funcionários da montadora na Alemanha continua incerto.

default

Magna e Fiat ainda concorrem pela Opel

A reunião que terminou na madrugada desta quinta-feira (28/05), em Berlim, definiu que até a sexta-feira (29/05), a Magna e a Fiat, empresas que continuam no páreo pela Opel após a saída da Ripplewood, deverão encontrar uma saída junto com o governo norte-americano e a GM.

O objetivo do encontro em Berlim era garantir um financiamento temporário para a Opel, caso a matriz norte-americana General Motors (GM) venha a declarar insolvência nos próximos dias. O dinheiro serviria para garantir a sobrevivência temporária da subsidiária através do chamado sistema fiduciário.

Inesperadamente, todavia, a GM requereu 300 milhões de euros a mais do que o acertado inicialmente. Dessa forma, o empréstimo planejado pelo governo alemão se elevaria de 1,5 bilhão para 1,8 bilhão de euros, uma soma que o governo em Berlim rejeitou.

Críticas aos EUA e GM

Opel

Reunião terminou sem resultados

Os ministros alemães da Economia e das Finanças, Karl-Theodor zu Guttenberg e Peer Steinbrück, criticaram duramente o comportamento do governo dos EUA e da GM. "Mais uma vez nos confrontamos com surpresas, principalmente por parte da General Motors", disse Guttenberg.

O governo alemão fez exigências ao governo norte-americano, que deverá tomar uma posição até esta sexta-feira. "Essas respostas terão que vir para que uma concepção seja implementada", afirmou Steinbrück.

O ministro alemão das Finanças afirmou que o governo dos EUA deveria ter enviado negociadores mais competentes a Berlim. Um dos participantes do encontro declarou à agência Reuters que, "devido ao bloqueio da GM e do Tesouro dos EUA, o encontro terminou em um desastre".

Igualdade de chances

Após o encontro, o fundador da Magna, Frank Stronach, declarou-se disposto a assumir o empréstimo adicional de 300 milhões de euros. Como condição, no entanto, Stronach exigiu garantias do governo alemão, caso o lado norte-americano não cumpra o acordo.

Steinbrück afirmou que a Magna está disposta a contribuir para uma solução do problema. "Parece-me bastante atraente o que este investidor tem em mente", afirmou o ministro. A montadora italiana Fiat também terá a chance de fazer uma oferta semelhante. Até sexta-feira, ambos têm as mesmas chances, afirmou o ministro alemão da Economia, Karl-Theodor zu Guttenberg.

CA/ap/reuters

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais