Futurando especial sobre vacinação | DW Brasil | Notícias e análises do Brasil e do mundo | DW | 17.07.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

NOTÍCIAS

Futurando especial sobre vacinação

Em que contexto surgiram as primeiras vacinas? Que doenças já foram erradicadas com a ajuda delas? As respostas para essas e outras perguntas sobre imunização você confere no programa.

Esta edição do Futurando será totalmente dedicada à vacinação. A primeira vacina de que se tem notícia, segundo a Fiocruz, é a da varíola. A doença provocava erupções na pele e era fatal para 30% dos infectados. A vacina foi desenvolvida no século 18 pelo britânico Edward Jenner. No Brasil, ela chegou no início do século 19 e ficou no topo da agenda sanitária até o início do século 20. A varíola foi considerada erradicada ainda nos anos 1980.

Muitas pessoas atualmente resistem em se vacinar contra doenças ainda existentes. Os motivos são diversos. Entre eles está o medo de efeitos colaterais. Será que existem riscos? O médico infectologista Paulo Olzon esclarece essa dúvida. E para falar da história e importância das vacinas, a equipe da DW conversou com Akira Homma, assessor científico sênior da Fiocruz Bio-Manguinhos para Ciência e Tecnologia.

Conheça também a história da luta contra a poliomielite no mundo. Conhecida como paralisia infantil, ela foi responsável por deficiência física e morte de crianças durante séculos. Nos anos 1950, uma vacina foi desenvolvida. Deste então, a doença já foi quase erradicada. Quase. Em alguns países, fundamentalistas impedem a imunização coletiva.

Mas mesmo em lugares perigosos, as equipes do Unicef atuam e buscam aliviar o sofrimento de crianças. O Fundo das Nações Unidas para a Infância possibilita às populações em zonas de conflito e regiões devastadas por guerras ou desastres naturais o acesso a comida, água potável e à vacinação. No Congo, por exemplo, quase cinco mil crianças com menos de cinco anos morreram de sarampo em 2019. A missão do Unicef é mudar essa realidade e educar sobre a importância de cuidados básicos com a saúde. 

E países industrializados não estão livres de sofrer epidemias com doenças consideradas "sob controle”. Por exemplo, em abril de 2018, muitas pessoas no oeste da Alemanha estavam apresentando sintomas fortes de constipação e gripe. Na verdade, era sarampo, um vírus altamente contagioso e que pode levar à morte. Você confere na reportagem, como a Alemanha conseguiu conter o contágio entre a população.

Boa notícia! Já existem vacinas contra alguns tipos de cânceres. A vacina contra o papilomavírus humano (HPV) oferece proteção contra diversos cânceres e, principalmente, o do cólo de útero. Até há pouco tempo, apenas meninas recebiam a vacina. Mas hoje se sabe que meninos e adultos também podem se beneficiar. Não deixe de saber mais sobre essas novas descobertas neste especial.